Nordeste supera Sudeste em consumidores com 1º cartão de crédito

O Nordeste superou o Sudeste no número de consumidores com seu primeiro cartão de crédito no Brasil. Pesquisa inédita da Serasa Experian sobre esse mercado mostra que a região concentra hoje 43% das novas adesões de todo o país, enquanto que o Sudeste responde por 36%. 

Em 2009, a situação era inversa: 48,28% eram do Sudeste e 29,31%, do Nordeste.  Como consequência, a distribuição geográfica das propostas de novos cartões também aponta um crescimento da participação do Nordeste (de 19,14% em 2009 para 26,42% neste ano).

Para fazer esse mapeamento, a Serasa Experian usou informações de 300 mil CPFs e fez comparativos entre os primeiros trimestres de 2009, 2010 e 2011.  Os números revelaram ainda um crescimento de adesões na classe E. No primeiro trimestre de 2009, 52% do total dos solicitantes pertenciam a esse grupo social. Em 2010, esse número cresceu para 54,8% e, em 2011, para 58,5%.

O estudo da Serasa Experian mostrou também que a inadimplência nos primeiros quatro meses após a aquisição do cartão de crédito registrou uma pequena alta neste ano. Em 2009, 7,9% dos novos consumidores ficaram com pendências nesse período. No ano passado, esse índice caiu para 4,8%, e, neste ano, houve uma pequena elevação para 5,2%.

Jovens trabalhadores lideram adesões

Aplicando-se a essa base de 300 mil CPFs a ferramenta Mosaic, que cruza dados da própria Serasa Experian e do IBGE, é possível saber quem são as pessoas que nos últimos três anos passaram a contar com a opção do cartão de crédito.

Segundo o Mosaic, os brasileiros estão divididos em dez grupos e 39 segmentos em função da renda, geografia, demografia, padrões comportamentais e estilo de vida. Dentro desse espectro, a maioria dos novos clientes de cartão de crédito estão no segmento chamado Periferia Jovem. 

Esse grupo é formado por jovens trabalhadores de baixa renda com pouca qualificação e por estudantes de periferia e famílias que recebem assistência do Estado. Em 2009, 21,75% do total de solicitantes de cartões no Brasil pertenciam a esse segmento. Em 2010, essa porcentagem chegou a 23,43% e, em 2011, foi para 25,54%. 

Já o grupo denominado Aspirantes Sociais está em segundo lugar no ranking de adesões a cartões, mas já percebe-se uma redução na demanda.  Em 2009, 19,78% dos brasileiros que fizeram proposta para adquirir cartão de crédito pertenciam a esse nicho. Em 2010, esse número foi para 15,89% e, neste ano, para 15,33%. Fazem parte deste segmento profissionais em ascensão social, donos de pequenos negócios, jovens em busca de oportunidades e também consumidores indisciplinados. 

“O levantamento mostra que os públicos emergentes prevalecem, refletindo o maior acesso ao consumo de bens e serviços, inclusive financeiros. O estudo é também um alerta. Como a maioria dos novos entrantes no mercado de cartões são os jovens da periferia, o risco de inadimplência precisa ser adequadamente monitorado, pois estes consumidores normalmente não possuem vivência no mercado de crédito. Ou seja, estariam começando a aprender a lidar com crédito justamente numa modalidade em que os juros são altos. Assim, o risco de terem uma primeira experiência frustrante de crédito não é desprezível.”, aponta o presidente da Serasa Experian e Experian América Latina, Ricardo Loureiro.