Qualidade do diesel brasileiro melhora em abril

SÃO PAULO, 17 de maio de 2010 - O índice de não-conformidade do diesel brasileiro em abril foi de 3,5%, o que representa queda de 33% em relação aos 5,2% registrados em março, de acordo com o Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Foram analisadas, em todo o Brasil, 4.586 amostras de diesel, das quais 162 estavam fora dos padrões de qualidade estabelecidos pela Agência.

Os estados que apresentaram as reduções mais expressivas, na comparação dos meses de abril e março, foram: Bahia (de 9,2% para 1%), Espírito Santo (de 6,3% para 4,6%), Minas Gerais (de 9,4% para 6,7%), Rio de Janeiro (12,4% para 8%), Roraima (de 9,1% para 7,7%), São Paulo (de 6,8% para 4,1%), Pernambuco (de 1,7% para 1,3%), Rio Grande do Sul (2% para 1,5%) e Paraná (de 2,2% para 2,1%).

Com relação às críticas recentes de alguns segmentos do mercado sobre a qualidade do diesel vendido no país, é importante ressaltar que as não-conformidades relacionadas ao teor de biodiesel verificadas no Programa de Monitoramento da Qualidade dizem respeito, em sua maioria, às amostras que apresentaram teor de biodiesel abaixo do estabelecido em legislação.

Essa constatação reforça o entendimento de que não haveria, em princípio, comprometimento do desempenho do combustível. Na verdade, o teor atual de biodiesel foi alcançado de forma gradativa e, por isso, entende-se que o comportamento do combustível com teores de biodiesel inferiores a 5% não compromete a aplicação do produto. A evolução do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel ocorreu exatamente com base nesse conhecimento adquirido ao longo do tempo.

De acordo com a Agência, "passados mais de dois anos da mistura obrigatória de biodiesel ao diesel, o conhecimento técnico sobre o produto mostra que os benefícios existem, mas devem ser dispensados maiores cuidados, não só ao biodiesel como também ao óleo diesel contendo biodiesel".

(Redação - Agência IN)