Incerteza na Europa derrubam gera cautela no mercado

SÃO PAULO, 17 de maio de 2010 - Diante das incertezas em relação ao pacote de resgate europeu e a situação dos países no continente, as principais bolsas de valores mundiais encerraram sem definir tendência.

Na Europa, os índices acionários acabaram em direções opostas, na ausência de indicadores econômicos e também em meio aos desdobramentos da crise. Ao final do pregão, o índice FTSE-100, de Londres, caiu 0,31%, aos 5.262 pontos, o DAX, de Frankfurt, ganhou 0,17%, aos 6.066 pontos e o CAC-40, de Paris, recuou 0,47%, aos 3.543 pontos.

Já nos Estados Unidos, as bolsas fecharam em leve alta, depois de operarem em baixa durante boa parte da sessão. Em Nova York, o índice Dow Jones Industrial Average subiu 0,05%, aos 10.625 pontos. O S&P 500 valorizou 0,11%, aos 1.136 pontos. E na bolsa eletrônica, o índice composto Nasdaq avançou 0,31% aos 2.354 pontos. Segundo analistas, o movimento reflete a leitura dos investidores em relação a crise, o que gera volatilidade.

Na Argentina, o índice Merval, da bolsa de valores de Buenos Aires teve decréscimo de 1,22%, aos 2.185 pontos.

E no Brasil, o Ibovespa encerrou o dia em baixa de 0,86%, influenciado pelas blue chips Vale e Petrobras. O principal índice acionário da BM&FBovespa finalizou o pregão desta segunda-feira em queda de 0,86%, aos 62.866 pontos. O giro financeiro da bolsa totalizou R$ 9,905 bilhões.

Ainda internamente, o ministério do trabalho e emprego informou que o País gerou 305 mil empregos em abril deste ano, registrando recorde para o mês.

Na renda fixa, a curva de juros futuros finalizou sem tendência única. O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro e 2011 apontou taxa anual de 11,06%. E no câmbio, o dólar comercial subiu, vendido a R$ 1,80.

Já nas commodities, os preços do petróleo recuaram, com os investidores com receio de que a crise na europa vai reduzir a demanda por combustíveis. A cotação do barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em junho, encerrou com retração de 2,2%, cotado a US$ 70,06, caindo pela primeira vez neste ano ao patamar de US$ 70,00, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês). Já o barril do tipo Brent, com vencimento em julho, perdeu 3,7%, cotado a US$ 75,08 no ICE Exchange de Londres.

(Redação - Agência IN)