Varejo espera vender 10% a mais este ano com Carnaval

Carolina Eloy, Jornal do Brasil

RIO - O comércio espera crescimento de 10% nas vendas para o Carnaval deste ano em comparação com a mesma época de 2009, segundo pesquisa do Centro de Estudos do Clube dos Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio). O grande movimento de turistas na cidade, as promoções feitas pelos lojistas e a facilidade de pagamento são os fatores que devem contribuir para o resultado de vendas.

Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio, ressalta, no entanto, que a expectativa de vendas também deve levar em conta a base de comparação com o mês de fevereiro do ano passado, quando o comércio registrou retração de 1,5%.

O crescimento do crédito, com prazos mais longos de financiamento sem juros e a manutenção da estabilidade dos preços praticados pelo varejo são propulsores de bons negócios para o comércio varejista aponta Gonçalves.

O dono da loja Maik Mik, Maiko Riche, confirma que as vendas em 2009 foram muito fracas nesse período e está confiante de crescer em torno de 20% nesse ano. O movimento estava muito devagar no início do ano passado, mas já é possível notar melhora .

As vendedoras Aninha Barbosa, 17 anos, e Iracema Medeiros, 23 anos, procuram roupas, arcos, colares e enfeites para usar nos blocos de rua. Aninha contou que vai gastar um pouco mais esse ano, já que recebeu salário maior com a comissão das vendas de Natal.

Todo ano, compro alguns enfeites e esse ano devo gastar um pouco mais, em torno de R$ 90 comemora Aninha.

Segundo a pesquisa, os lojistas acreditam que as roupas esportivas (39,4%), calçados (18,2%), tecidos (13,6%), fantasias e adereços (10,6%) e confetes e serpentinas (9,1%) serão os produtos com destaque de alta nas vendas. A pesquisa foi feita com 750 empresários.

O consultor de varejo Luiz Freitas lembra que o Carnaval no início de fevereiro contribui para que a cidade fique mais cheia de turistas, o que ajuda nas vendas. A economia brasileira também está melhor e o consumidor se sente mais confiante para gastar .

O coreógrafo francês William Moundi aproveitou as férias na cidade para comprar peças de Carnaval não só para usar aqui como para levar para seu país. Ele diz que aqui encontra muitas opções diferentes que pode levar para usar no seu espetáculo de dança. Além disso, o preço é muito mais barato do que mandar fazer uma fantasia parecida em Paris .

O preço médio das compras, segundo a pesquisa, será de cerca de R$ 80 e os clientes deverão utilizar mais o cartão de crédito parcelado como forma de pagamento, seguido de cartão de débito, dinheiro, cheque parcelado e crediário.

Algumas marcas decidiram criar produtos específicos para a folia. A Langak lança uma linha com acessórios como arco de colombina, pena de pavão, trancinhas e máscaras com penas. A grife espera vender 1.500 peças e ter um faturamento de 20% a mais no mês de fevereiro.

A dona de casa Angélica Fagundes, 33 anos, e sua filha Wendy, dois anos, devem aproveitar as festas de rua com fantasias novas. Angélica disse que o marido dela recebeu aumento no ano passado e vai pode gastar um pouco mais. Ela disse que deve pagar R$ 200 nas roupas.

Tento comprar o mais cedo possível para evitar entrar em lojas muito cheias e com falta de produtos destaca.

As estilistas da grife As Meninas, Bianca Ladeira e Marcella Affonseca, esperam vender 15% a mais nessa época esse ano com artigos criados para o Carnaval.