Vale investirá US$ 12,9 bilhões em 2010

SÃO PAULO, 19 de outubro de 2009 - A Vale (VALE3; VALE5) informou hoje que o seu Conselho de Administração aprovou o orçamento de investimentos de 2010, compreendendo dispêndios de US$ 12,9 bilhões dedicados à sustentação das operações existentes e à promoção de crescimento através de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e execução de projetos.

De acordo com o comunicado da empresa, o orçamento de investimentos para 2010 representa aumento de 29,3%, em relação aos US$ 10 bilhões investidos nos últimos doze meses terminados em 30 de junho de 2009. "O plano de investimentos continua refletindo nosso foco em crescimento orgânico como prioridade da estratégia de crescimento: 76,6% do orçamento está alocado para financiar P&D, projetos greenfield e brownfield, contra uma média de 71,1% nos últimos cinco anos", afirmou em nota.

Com os ativos existentes e os que entrarão em operação futuramente, a Vale espera que a produção continue crescendo em ritmo acelerado. "Nosso índice de produção, que inclui a performance operacional de todos minerais e metais produzidos pela Vale, está previsto crescer a uma taxa média anual de 12,6% no período de 2010-2014, superior ao já elevado ritmo de 11,2% por ano para o período de 2003-2008", relatou.

Apesar do minério de ferro e níquel continuarem sendo os principais negócios, a companhia planeja impulsionar a capacidade de produção de cobre, carvão e fertilizantes, criando um portfólio mais diversificado de ativos de classe mundial. Dado o pipeline de projetos, esperamos alcançar os seguintes fluxos de produção em 2014: 450 milhões de toneladas métricas de minério de ferro, 380 mil toneladas métricas de níquel, 650 mil toneladas métricas de cobre, 30 milhões de toneladas métricas de carvão, 3,1 milhões de toneladas métricas de potássio e 6,6 milhões de toneladas métricas de rocha fosfática.

Para aumentar a competitividade das operações, a mineradora continuará investindo volume considerável de recursos em ferrovias, terminais marítimos, navegação e geração de energia.

(Redação - Agência IN)