Recessão dos EUA pode terminar no 3º trimestre, diz pesquisa

REUTERS

NOVA YORK - A pior recessão dos Estados Unidos desde a Grande Depressão provavelmente terminará no terceiro trimestre, mas há incerteza sobre a velocidade e a duração da recuperação econômica, segundo recente pesquisa feita com economistas particulares.

A pesquisa Blue Chip Economic Indicators divulgada nesta segunda-feira mostrou que cerca de 90% dos economistas consultados acreditam que o declínio econômico será declarado encerrado neste trimestre.

Tal avaliação otimista foi feita após recentes dados do governo mostrarem que o Produto Interno Bruto (PIB) do país encolheu 1% no segundo trimestre, após afundar 6,4% no período de janeiro a março.

Números recentes, incluindo indicadores dos mercados imobiliário e de trabalho, sugeriram um enfraquecimento da recessão e a economia perto de uma recuperação. A economia entrou em recessão em dezembro de 2007.

As conclusões da Blue Chip estão amplamente em linha com uma pesquisa da Reuters publicada no mês passado, que previu crescimento no terceiro trimestre, embora um forte ritmo de expansão não seja esperado até o final de 2010.

"O debate agora está centrado na velocidade, força e durabilidade da recuperação", informou a pesquisa.

O levantamento mostrou que quase dois terços dos entrevistados acreditam que a economia está preparada para uma recuperação em formato de U, marcada por um crescimento do PIB abaixo da tendência antes de um forte desempenho na segunda metade de 2010.

Cerca de 17% dos economistas anteciparam uma recuperação em forma de V, enquanto a mesma porcentagem teme que uma recuperação em W possa continuar, segundo a pesquisa.

- Na visão deles, o crescimento do PIB irá disparar por um trimestre ou dois para desacelerar novamente antes de uma recuperação permanente começar - informou o levantamento.

Crescimento mais forte

O crescimento no segundo semestre deve receber suporte de uma redução no ritmo de liquidação dos estoques, melhoras marginais nos gastos do consumidor e de investimentos residenciais. A pesquisa estima que o investimento não-residencial, contudo, continuará pressionando o PIB.

Apesar do cenário econômico melhor, o desemprego deve permanecer um problema, com a taxa de demissões prevista para atingir acima de 10% no final deste ano ou no começo de 2010, segundo a pesquisa.

Um relatório do governo divulgado na sexta-feira apontou que a taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu para 9,4% em julho, contra 9,5% no mês anterior.

"Cerca de 70% dos participantes acreditam que a taxa de desemprego não cairá abaixo de 7% até a segunda metade de 2012 ou depois", informou o levantamento.

Todavia, as demissões podem desacelerar no final deste ano ou no início de 2010 e os salários devem começar a aumentar, conforme as companhias reabastecem os estoques.

A fraqueza do mercado de trabalho e o excesso de capacidade em muitos setores estão aliviando as pressões inflacionárias.

- A inflação ao consumidor, excluindo custos com alimentação e energia, crescerá um pouco menos em 2009 - segundo a pesquisa.