Projeções se ajustam para baixo

SÃO PAULO, 16 de julho de 2009 - As taxas dos contratos futuros de Depósito Interfinanceiro (DI) encerraram o dia em leve queda na BM&FBovespa. Os investidores avaliaram mais um indicador sobre inflação no Brasil, além de dados de emprego e arrecadação. Do exterior, números positivos sobre a economia chinesa e norte-americana também favoreceram na queda dos prêmios de risco.

Segundo especialistas, indicadores sinalizando a fragilidade da economia brasileira ajudaram com os ajustes para baixo. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o emprego formal cresceu em junho, ao criar 119.495 vagas, no entanto, o resultado é o pior desde 2003. O número também é menor do que o registrado um mês antes, de 131.557 novos postos com carteira assinada.

Nos últimos 12 meses, foram criadas 390.322 vagas. Isso representa uma perda de mais de 1 milhão de empregos em relação ao resultado no final de 2008. Do lado da arrecadação, as contribuições federais ficaram em R$ 54,034 bilhões no mês, com queda real de 7,51% na comparação com o sexto mês de 2008. No primeiro semestre deste ano, a arrecadação real recuou 7,02% no confronto com mesmo intervalo do calendário anterior.

No campo inflacionário, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) teve alta de 0,37% na segunda prévia de julho. O resultado veio dentro das expectativas.

Segundo a corretora Gradual, apesar das pressões de preços no meio do ano, em especial do grupo educação, que fazem reajuste de algumas mensalidades para o segundo semestre, as pressões estão minimizadas por conta da evolução comportada do IGP-M (que reajusta boa parte dos contratos) e que em 2009 acumula deflação de 1,24%.

Na gestão de dívida pública, o Tesouro Nacional vendeu integralmente os lotes de Letras do Tesouro Nacional (LTN), Notas do Tesouro Nacional série F (NTN-F) e Letras Financeiras do Tesouro (LFT).

Na BM&FBovespa, a maioria das projeções de juros futuros fecharam apontando para baixo. O DI com vencimento em janeiro de 2011 foi o mais negociado nesta quinta-feira com 140 mil transações e giro de R$ 12,2 bilhões. A taxa deste papel ficou estável 9,78%. O DI para janeiro de 2010 caiu de 8,69% para 8,68% e o prêmio para janeiro de 2012 passou de 11,04% para 11,03%.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)