Jornal do Brasil

Economia - Marcas

Usina Hidrelétrica Jirau, seis anos de operação

Eficiência operacional e investimento socioambiental são prioridades de gestão

Jornal do Brasil REDAÇÃO JB, redacao@jb.com.br

A Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, construída no rio Madeira a cerca de 120 km de Porto Velho (RO), completa, neste dia 6 de setembro, seis anos de operação como a única usina de grande porte com mais de 99% de disponibilidade para geração de energia elétrica no Brasil. Com capacidade instalada de 3.750 MW, a Usina Jirau gera energia limpa e renovável para atender a mais de 40 milhões de pessoas.

Macaque in the trees
Usina Hidrelétrica Jirau (Foto: Divulgação)

De acordo com o Diretor de Operação da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária que administra Jirau, Isac Teixeira, em maio de 2019, Jirau apresentou a maior geração mensal de sua história, alcançando o montante de 3.397,80 MW médios, o que representou 5,42% de toda a energia elétrica gerada no Brasil durante esse mesmo período. “A disponibilidade é a principal variável para medir o resultado operacional de uma usina. A UHE Jirau possui uma taxa muito elevada para o pouco tempo que está operando, ainda mais considerando que a conclusão total da usina ocorreu no final de 2016”, afirma Isac.

Com investimento de aproximadamente R$ 20 bilhões, Jirau é a quarta maior usina hidrelétrica do País, com 50 turbinas Bulbo, as maiores desse tipo no mundo. Segundo o Diretor-Presidente da ESBR, Victor Paranhos, o compromisso é assegurar disponibilidade máxima para a geração de energia que o Brasil precisa.

A geração anual da UHE Jirau nos anos de 2017, 2018 e até agosto de 2019, foi superior à sua garantia física. “Em setembro de 2013, a primeira Unidade Geradora (UG) entrou em operação. Ao final de 2014, 20 unidades já estavam operando. É um número sem precedentes. Nenhuma outra usina havia conseguido colocar tantas UGs em operação neste curto espaço de tempo. São seis anos escrevendo nossa história com sustentabilidade”, diz o Diretor-Presidente, Victor Paranhos.

Uma somatória de fatores contribui para o alto desempenho da UHE Jirau. Em fevereiro de 2017, pela primeira vez as 50 turbinas operaram simultaneamente. “Este feito está relacionado com o envolvimento de toda a equipe de profissionais da ESBR, que se empenhou para a execução do projeto, montagem e comissionamento das UGs, além de contribuir para um trabalho rigoroso de manutenção das Unidades Geradoras, intensificado durante o período de seca, que é a baixa vazão do rio Madeira”, ressaltou Victor.

O Gerente de Operação da ESBR, Marcelo Fonseca, afirma que, para alcançar marcos como esse, é necessário superar desafios que, no caso de Jirau, são a quantidade e a complexidade das UGs e as características do rio Madeira (grande quantidade de troncos e de sedimentos).

Em seis anos de operação, a ESBR investiu cerca de R$ 1,2 bilhão em 34 programas socioambientais que apoiam a sustentabilidade, geração de renda, saúde e educação. Entre as ações, estão a capacitação de produtores rurais e de cooperativas, o sistema de transposição de peixes e a preservação de patrimônio arqueológico, entre outros. “Nosso compromisso está diretamente ligado ao respeito socioambiental”, afirma Veríssimo Neto, Gerente de Meio Ambiente da ESBR.

De acordo com o Diretor Administrativo da ESBR, Júlio Freitas, a UHE Jirau já repassou mais de R$ 372 milhões em royalties - Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos - para o município de Porto Velho (RO), o Governo do Estado de Rondônia e o Governo Federal no período de setembro de 2013 a junho de 2019.