Jornal do Brasil

Economia - Marcas

Força do futebol feminino agita o mercado publicitário

Após a Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2019, marcas também estão de olho em esportes com menos visibilidade do que o futebol

Jornal do Brasil , redacao@jb.com.br

As mulheres representam 85% da decisão de compra no Brasil, mas ainda temos cenários distintos no mercado brasileiro, mesmo depois de todo o burburinho da Copa do Mundo, as marcas ainda caminham lentamente quando a questão é engajamento, inovação e criatividade. A jornalista e influenciadora digital Mili Anjos, discorre sobre como a copa do mundo feminina mudou o cenário atual para as mulheres. "Esta copa foi épica, emocionante e revolucionária para o mundo, dentro e fora dos campos. Nos rendemos a garra feminina e novamente nos vimos evidenciando a desigualdade entre os gêneros".

Macaque in the trees
Para a influenciadora digital Mili Anjos o mercado publicitário se viu provocado a ampliar os investimentos no futebol feminino neste ano (Foto: REUTERS/Phil Noble)

Para Mili, a melhor jogadora do mundo foi peça importante na virada de jogo no campo do marketing. "Marta foi fundamental para que as marcas finalmente começassem a enxergar a grandiosidade desta desigualdade e falta de respeito não só com as atletas, mas como com todas nós mulheres que ainda ganhamos tão menos que os homens. Assistimos a melhor jogadora do mundo golear sem um patrocinador esportivoe sem chuteiras grifadas".

"Mas depois de tanto barulho e com a ajuda de marcas como o Guaraná Antárctica, patrocinador das seleções masculina e feminina há 18 anos, o mercado publicitário se viu provocado a ampliar os investimentos no futebol feminino e em outros esportes". E acrescenta "Antes da copa do mundo começar na França, a campanha da marca de refrigerante questionava as razões para poucas marcas explorarem campanhas com as jogadoras da nossa seleção" afirma a influenciadora.

E finaliza: "Não cabe mais a diferenciação de gênero no esporte ou qualquer outro segmento. Acredito que as marcas estão no caminho, mas ainda há muito trabalho a ser feito".