BRICS: parceria progrediu com o tempo, diz historiador; saiba mais e veja entrevista

Origens da parceria

Cerca de 42% da população, 23% do PIB, 30% do território e 18% do comércio mundial. Os números representam o tamanho dessa parceria, com benefícios palpáveis, que atende por um acrônimo: BRICS. Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.  A primeira letra de cada país (em inglês) está representada no que é hoje mais do que a reunião de economia emergentes.  A parceria tem progredido com o tempo, conforme explica o historiador Frederico Tomé.

Ele entende que se trata de uma ação estratégica e importante que foi selada no início do século 21, mas resultado de um processo de aproximações que evolui com o tempo.  A Cúpula que o Brasil sedia nesta semana (nesta quarta, 14, e quinta, 15), em Brasília, é a décima primeira (a segunda na capital federal, que já recebeu o evento em 2010). O evento no Palácio do Itamaraty tem o lema ?BRICS: crescimento econômico para um futuro inovador?.

De acordo com o historiador Frederico Tomé, o BRICS foi resultado de uma aproximação entre economias emergentes que tinha como foco principal a economia. Principalmente após a crise financeira de 2008, os quatro países passaram a trabalhar em conjunto. A união, que ganhou a África do Sul como nova parceria no começo desta década, trilha caminhos estratégicos, como as parcerias tecnológicas.

Vantagens do acordo

O historiador explica que o Brasil, desde a década de 1970, tem buscado parcerias com economias e adotado estratégias de aproximação com países de diferentes continentes. O BRICS, novidade do século 21, é parte desse processo. Segundo o governo brasileiro divulgou, as áreas de saúde, ciência, tecnologia, inovação e cooperação no combate ao crime internacional estão entre as prioridades para o país. ?Veio numa crescente dentro do mercado internacional?, diz o historiador.

Avanços do acordo

O pesquisador destaca que a cúpula, com a presença de representantes dos cinco países, é fundamental para encaminhar presencialmente novas demandas e decisões. Os encontros têm colaborado para materializar os acordos, explica Tomé. Um exemplo está nos avanços no campo da tecnologia.

Fundo de amparo

Uma providência tomada pelos países que integram o BRICS é que a parceria prevê um ?banco de desenvolvimento? para colaborar com investimentos em infraestrutura e desenvolvimento dos países que fazem parte do grupo. Além disso, podem atuar em parceria para ajudarem-se mutuamente em caso de crises financeiras. Mas a força do grupo possibilita força na concorrência no mercado. ?É uma parceria que coloca em destaque uma possível concorrência com os países do G-7?. (Agência Brasil)