Vamos atuar quando houver problema de liquidez no câmbio, diz Campos Neto

O Banco Central vai intervir quando houver algum problema de liquidez no mercado de câmbio e não tem discriminação contra nenhum instrumento cambial, disse nesta quinta-feira o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, ponderando que o BC não tem política de câmbio fixo.

O BC tem realizado nos últimos dias leilões de linhas de dólares com compromisso de recompra, visando prover liquidez em período tipicamente de saída de recursos. O Banco Central segue ainda com operações de venda de swap cambial para rolagem de contratos, o que mantém a disponibilidade de "hedge" ao mercado.

Segundo Campos Neto, o BC trabalha com cenário de aprovação da reforma da Previdência, mas não há nenhum tipo de "chantagem" sobre cortar os juros apenas com as reformas aprovadas.

O presidente do BC afirmou que o mais importante é avaliar como a reforma da Previdência vai afetar o canal de transmissão para a inflação e que a sensibilidade ao tema se estende ao mercado, uma vez que os agentes financeiros também entendem o risco relacionado à reforma como "preponderante".

Em documentos recentes, o BC tem indicado, na avaliação do mercado, que eventual retomada do processo de flexibilização monetária depende do progresso na agenda de reformas e que esse risco é "preponderante" para o balanço de riscos para a inflação.

(Por Isabel Versiani)