Dólar oscila entre estabilidade e leve queda com atenções a reformas e exterior

SÃO PAULO, 24 Jun (Reuters) - O dólar rondava estabilidade nesta segunda-feira, esboçando viés de queda depois de subir mais cedo, enquanto agentes financeiros monitoram discussões sobre a reforma da Previdência na comissão especial e na expectativa pela cúpula do G20 no Japão, onde Estados Unidos e China devem se reunir para tratar da guerra comercial.

Às 12:10, o dólar recuava 0,15%, a 3,8180 reais na venda.

Na sexta-feira, o dólar caiu 0,68%, a 3,8239 reais, menor patamar em três meses.

Neste pregão, o dólar futuro caía cerca de 0,2%.

"(Dólar) oscilando sem grandes alterações até que tenha notícia nova tanto lá fora quanto aqui. Aqui o mais relevante vai ser na terça-feira, com a retomada dos trabalhos na comissão especial", disse Silvio Campos Neto, economista da Tendências Consultoria.

Agentes financeiros iniciam a semana na expectativa pelo fim da discussões e votação do parecer da reforma da Previdência na comissão especial.

Na semana passada, o presidente da comissão especial da reforma da Previdência, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), disse que retomaria os trabalhos na manhã de terça-feira.

Na sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro minimizou a possibilidade de a comissão especial não conseguir votar o parecer da proposta nesta semana, em razão do tradicional esvaziamento dos trabalhadores do Congresso devido aos festejos juninos.

"É viável uma votação na quinta-feira, mas a possibilidade de que fica pra próxima semana precisa ser considerada", explicou Campos Neto. "Esfria um pouco desse clima de melhora que tomou conta. Não reverte, mas gera um pouco de cautela".

Investidores trazem a preocupação de que o texto possa ser votado no plenário da Câmara, para onde segue finalizada a tramitação na comissão especial, antes do recesso parlamentar.

No panorama externo, investidores aguardam atentos a cúpula do G20, quando os presidentes dos Estados Unidos e China, Donald Trump e Xi Jinping, devem se reunir para tratar da disputa comercial.

O vice-ministro do Comércio chinês, Wang Shouwen, disse nesta segunda-feira que tanto a China quanto os EUA deveriam fazer concessões nas negociações comerciais.

Também permanece no radar do mercado as tensões geopolíticas entre EUA e Irã. Uma autoridade norte-americana disse nesta segunda-feira que Trump está disposto a conversar com o governo iraniano sobre um acordo para suspender as sanções norte-americanas.

De maneira geral, o dólar desvalorizava-se frente a outras moedas nesta segunda-feira, ainda pela percepção de que bancos centrais ao redor do mundo, liderados pelo Federal Reserve, deverão promover afrouxamento da política monetária em um cenário de crescentes sinais de fraqueza econômica global.

O BC vendeu nesta segunda-feira todos os 5,05 mil contratos de swap cambial tradicional ofertados em rolagem do vencimento julho.

Em 37 operações, o BC já rolou 9,343 bilhões de dólares, de um total de 10,089 bilhões de dólares a expirar em 1º de julho. O estoque de swaps do BC no mercado é de 68,863 bilhões de dólares. (Por Laís Martins Edição de Camila Moreira e José de Castro)