Ibovespa recua com exterior desfavorável; Kroton lidera perdas após resultado

SÃO PAULO, 15 Mai (Reuters) - A bolsa paulista retomava o viés negativo nesta quarta-feira, mais uma vez pressionada pelo cenário externo desfavorável com dados econômicos chineses e norte-americanos mais fracos do que o esperado, enquanto as ações da Kroton lideravam as perdas do Ibovespa após resultado trimestral e estimativas para 2019.

Às 11:28, o Ibovespa caía 1,08 %, a 91.100,27 pontos. O volume financeiro somava 3,98 bilhões de reais.

Na véspera, o Ibovespa fechou com elevação de 0,4%, a 92.092,44 pontos, após três quedas seguidas, período em que acumulou declínio de 4%.

Na China, dados de vendas no varejo e produção industrial mostraram crescimento em abril aquém das expectativas no mercado, em novo reflexo do embate comercial com os Estados Unidos, ampliando a pressão sobre Pequim para novos estímulos econômicos.

Para a equipe da XP Investimentos, após a melhora dos mercados vista na véspera com retórica mais branda do presidente norte-americano, Donald Trump, sobre a disputa comercial com a China, o clima se deteriorou novamente nesta quarta-feira, seguindo dados de atividade chineses fracos.

Números sobre o varejo dos Estados Unidos piores do que o esperado chegaram a enfraquecer bolsas norte-americanas, mas informações da imprensa de que o presidente norte-americano, Donald Trump, pretende adiar a imposição de tarifas de importação de veículos davam algum suporte, com o S&P 500 exibindo estabilidade.

A equipe da Coinvalores também chamou a atenção para o que considera um cenário doméstico atribulado, com o IBC-Br reforçando a visão de um PIB bem fraco no primeiro trimestre do ano e dificuldades do governo na articulação política, mesmo em questões não envolvendo a reforma da Previdência.

O IBC-Br, espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), caiu 0,28 por cento em março na comparação com o mês anterior, segundo dado dessazonalizado divulgado pelo BC.

Agentes no mercado também viram como uma derrota do governo a aprovação pela Câmara dos Deputados para a convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, para explicar, em audiência no plenário da Casa, os cortes orçamentários na área.

DESTAQUES

- KROTON caía 6,2%, maior declínio do Ibovespa, após divulgar recuo de 34,2% no lucro líquido ajustado consolidado do primeiro trimestre, para 318,692 milhões de reais, bem como estimativas para 2019.

- CYRELA perdia 4%, em sessão negativa para o setor de construção, tendo no radar planos do governo de revisar regras do programa Minha Casa Minha Vida. MRV recuava 2,3%.

- GOL e AZUL recuavam 3,4% e 2,7%, respectivamente, em meio à valorização do dólar ante o real e à disputa pelos ativos da rival Avianca Brasil, que está em recuperação judicial.

- EMBRAER caía 4,3%, após a fabricante brasileira de aviões ampliar o prejuízo no primeiro trimestre para 42,5 milhões de dólares, com queda na receita em suas três principais divisões. - VALE subia 0,9%, entre as poucas altas do Ibovespa, acompanhando a alta dos preços do minério de ferro na China nesta quarta-feira.

- PETROBRAS PN caía 0,8%, em sessão de fraqueza dos preços do petróleo no exterior. PETROBRAS ON recuava 1%.

- BRADESCO PN cedia 1,5%, em meio ao ambiente mais negativo como um todo na bolsa e perspectivas cada vez mais desanimadoras sobre a atividade econômica no país, com ITAÚ UNIBANCO PN perdendo 1%.

- CSN recuava 1,3%, tendo no radar incidente nesta quarta-feira na área de aciaria da usina siderúrgica da empresa em Volta Redonda (RJ), que atingiu pelo menos 20 funcionários. Segundo a CSN, a produção da área, onde ferro gusa é convertido em aço, deve ser retomada nesta quarta-feira.

Por Paula Arend Laier