Wall Street desce com tensões comerciais a provocarem receios abrandamento

29 Mai (Reuters) - O S&P 500 e o Nasdaq descem para mínimos de dois meses esta quarta-feira depois da China sinalizar prontidão para intensificar a guerra comercial com os Estados Unidos, provocando temores de uma longa disputa que poderia pesar sobre o crescimento mundial.

Pequim está pronta para usar minérios raras, um grupo de 17 elementos químicos usados em tudo, desde produtos electrónicos de consumo de alta tecnologia a equipamentos militares, para retaliar contra os Estados Unidos, alertaram os jornais chineses.

Juntando-se às preocupações, a Huawei Technologies Co Ltd, da China, processou o governo dos EUA na sua última tentativa de combater as sanções de Washington.

"No início do ano pensamos que o acordo EUA-China estava próximo de ser feito, e agora parece mais distante do que nunca e isso está a preocupar os investidores", disse Kim Forrest, director de investimentos da Bokeh Capital Partners, em Pittsburgh.

"O medo de uma recessão está a ser agravado por duas coisas, uma é a realidade daquilo que a guerra comercial pode trazer, outra é quando os mercados atingem um novo patamar, ser uma profecia auto-realizável dizer que não podemos ir mais alto. "

O índice de referência S&P 500 está agora a cerca de 6% do seu recorde histórico de 2.954,13 de 1 de Maio.

O Nasdaq perde 0,76 pct, o S&P 500 desvaloriza 0,68 pct e o Dow Jones Industrial Average contrai 0,75 pct.

Texto integral em inglês: (Reportagem de Amy Caren Daniel, Traduzido para português por João Manuel Maurício, Gdynia Newsroom; Editado por Sérgio Gonçalves em Lisboa)