Jornal do Brasil

Economia

Vale e chinesa negociam siderúrgica de R$ 1,5 bilhão no Pará

Jornal do Brasil

A Vale e a chinesa CCCC (China Communications Construction Company) assinaram nesta quinta (23) protocolo de intenções para a construção de uma siderúrgica de R$ 1,5 bilhão em Marabá (PA). a mineradora brasileira ajudará a garantir o financiamento do projeto.

A unidade produzirá aços planos a partir de minério produzido pela Vale no Pará. A brasileira Concremat também é sócia do empreendimento.

Macaque in the trees
Vale (Foto: REUTERS/Denis Balibouse)

Segundo a mineradora, o projeto está "em linha com o pilar estratégico de criação de um novo pacto com a sociedade e foco na atuação como vetor de desenvolvimento econômico local". A Vale produz minério nos municípios paraenses de Parauapebas e Canaã dos Carajás.

O conceito de "novo pacto com a sociedade" foi anunciado na divulgação do resultado da Vale no primeiro trimestre, quando a mineradora registrou prejuízo de R$ 6,4 bilhões, provocado por perdas estimadas de R$ 19 bilhões com a tragédia de Brumadinho (MG).

O governo paraense comemorou o anúncio como "um novo modelo produtivo para a cadeia do minério de ferro". "Estamos construindo um novo paradigma, um novo patamar para a base produtiva econômica paraense", disse, em nota, o governador Helder Barbalho.

Base das duas principais operações da Vale, Carajás e S11D, o Pará é apenas exportador de minério de ferro, sem parque industrial para processar a produção - que sai das minas e vai por ferrovia para embarque em navios no Maranhão.

Em nota, a Vale frisou que a forma de apoio ao projeto, com a emissão de garantias, minimiza o compromisso financeiro da companhia e está de acordo com o pilar estratégico de alocação de capital mais eficiente para lidar com as perdas provocadas pelo rompimento da barragem em Brumadinho.

O desastre deixou até o momento 241 mortos. Outras 29 pessoas estão desaparecidas.