Tentativa é de recuperação do Ibovespa, mas Previdência pode inibir alta

A tentativa é de recuperação do Ibovespa nesta quinta-feira, 4, após a queda de 0,94% (94.491,48 pontos) ontem, influenciada em boa medida pelo clima hostil na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara entre parlamentares e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Apesar de o tumulto da véspera ter acendido a luz amarela no que diz respeito à articulação, a expectativa é que o governo se empenhe, reforçando a estimativa de aprovação da reforma da Previdência.

O principal índice da B3 abriu com valorização, acima dos 95 mil pontos, mas às 10h44, o Ibovespa diminuía o ritmo, subindo 0,45%, aos 94.913,58 pontos.

Mesmo assim , o dia deve ser de cautela seja por causa do tema Previdência, seja devido ao exterior, onde ressurgem preocupações sobre o ritmo de recuperação da economia mundial, após dados fracos da Alemanha.

Hoje, uma demonstração dessa força pode vir do encontro que o presidente Jair Bolsonaro terá com presidentes de partidos, para tentar criar uma base de apoio no Congresso. Apesar de participantes do mercado não nutrirem grandes expectativas em relação à reunião, admitem que essa seria uma oportunidade para o governo mostrar sua força, seu empenho.

"O governo tem que entender que precisa fazer algo. Dizer que não quer fazer parte da velha política, não significa não fazer acordo. Tem de negociar", observa um trader. "Mas não espero muitas novidades deste encontro. Pode ser mais protocolar", acrescenta.

Da mesma forma, o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, não espera grandes avanços sobre articulação política desta reunião de Bolsonaro. Porém, avalia que mesmo assim o quadro de perspectiva de aprovação da reforma previdenciária ainda prossegue e considera que o resultado da audiência de ontem na CCJ foi nulo. "O discurso da oposição é ultrapassado e sem argumento técnicos. No mínimo foi desagradável, mas o saldo foi zero. Demonstrou que governo precisa se articular", avalia.

Para o economista Silvio Campos Neto, da Tendências Consultoria Integrada, o encontro do presidente Bolsonaro com líderes partidários será uma oportunidade para reverter o quadro e montar uma base capaz de contrapor o discurso oposicionista. "Por ora, os ativos locais devem operar sem fôlego, à espera de sinais novos", estima em nota.

Campos Neto também avalia que a acomodação do exterior é natural, após um período de valorização dos ativos. Conforme ele, a queda maior que a esperada das encomendas industriais na Alemanha serviu como pretexto à cautela. Em fevereiro, o índice caiu 4,2% ante janeiro. "De todo modo, não há reversão ambiente. O indicador

Pouco antes do fechamento deste texto, foi informado o dado de auxílio-desemprego norte-americano, que cedeu ao menor nível desde 6 de dezembro de 1969. O dado veio num momento em que espera-se que EUA e China fiquem mais próximos de selar um acordo comercial nas negociações desta semana em Washington.