Vale suspensa em Mangaratiba, no Rio

Pela segunda vez neste início de 2019, ano, Secretaria de Meio Ambiente de Mangaratiba interditou as operações da Vale na região e multou a empresa em R$ 30 milhões. De acordo com o secretário Antônio Marcos, os motivos para a interdição "são agora muito mais contundente do que a primeira. Após a primeira interdição em janeiro, quando o órgão encontrou "problemas de poluição com risco à saúde humana", a prefeitura notificou a mineradora. Nada foi feito. Agora, o município acionará, também, o Ministério Público Federal.

A Vale informa que irá tomar todas as medidas cabíveis para restabelecer as atividades no terminal portuário da Ilha de Guaíba, em Mangaratiba (RJ), que possuiria todas as licenças necessárias para a sua operação. Guaíba é o maior ponto de escoamento de produção da Vale no Rio de Janeiro, com capacidade para escoar 70 milhões de toneladas de minério de ferro/ano. Também em Mangaratiba, a mineradora opera o terminal da CPBS, com capacidade para 25 milhões de toneladas. Os dois portos de Mangaratiba, junto com o porto de Tubarão, no Espírito Santo, são utilizados para garantir o escoamento da produção dos sistemas Sul e Sudeste da empresa.

Guaíba é o maior ponto de escoamento de produção da Vale no Rio de Janeiro, com capacidade para escoar 70 milhões de toneladas de minério de ferro/ano. Também em Mangaratiba, a mineradora opera o terminal da CPBS, com capacidade para 25 milhões de toneladas. Os dois portos de Mangaratiba, junto com o porto de Tubarão, no Espírito Santo, são utilizados para garantir o escoamento da produção dos sistemas Sul e Sudeste da empresa.