Ministros britânicos querem adiar Brexit

Londres - Três ministros britânicos defenderam ontem o adiamento do Brexit, previsto para 29 de março, em caso de ausência de acordo de divórcio com a União Europeia (UE) até a data. Os ministros das Empresas, Greg Clark, do Trabalho, Amber Rudd, e da Justiça, David Gauke, se opõem abertamente a um cenário de saída da UE sem acordo, hipótese que não foi descartada pela primeira-ministra Theresa May.

Os ministros das Empresas e do Trabalho defendem duas áreas que serão muito afetadas com a saída do Reino Unido da UE. Com a proximidade do Brexit, centenas de empresas mudaram suas sedes para outras nações europeias. A Holanda já atraiu 40 grandes empresas.

"Esperamos que o Parlamento reconheça a necessidade de abandonar a UE com um acordo em 29 de março", escreveram os ministros em artigo no jornal Daily Mail. Se isto não acontecer, valeria mais a pena adiar nossa data de saída que sair de forma desordenada da União Europeia em 29 de março", completam. Segundo os ministros, a ausência de acordo pode prejudicar gravemente a economia britânica e ameaçar a integridade do Reino Unido.

Qualquer demanda de adiamento deve ser aprovada pelos outros 27 países da UE. Desde a rejeição do acordo de divórcio por parte dos deputados britânicos em janeiro, May tenta renegociar com Bruxelas uma nova versão do texto, sem sucesso até o momento.