Jornal do Brasil

Economia

Onyx: Ministério do Trabalho será extinto e desmembrado em três pastas

Jair Bolsonaro havia afirmado que a pasta seguiria com status de ministério

Jornal do Brasil

O ministro extraordinário de transição e futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta segunda-feira (3), em entrevista à Rádio Gaúcha, que o Ministério do Trabalho será extinto pelo governo Jair Bolsonaro. A pasta será desmembrada em três partes, que serão alocadas nos ministérios da Economia, da Cidadania e da Justiça.

"O atual Ministério do Trabalho como é conhecido ficará uma parte no ministério do doutor [Sergio] Moro, outra parte com Osmar Terra e outra parte com o Paulo Guedes, lá no Ministério da Economia, para ter tanto a parte do trabalhador quanto do empresário dentro do mesmo organograma", afirmou, Onyx, acrescentando que o desenho do futuro governo contará com 20 ministérios "funcionais" e que o Banco Central e a Advocacia-Geral da União (AGU) perderão status de ministério.

Em novembro, o presidente eleito Jair Bolsonaro havia afirmado que o Trabalho permaneceria com status de ministério, após a possibilidade de sua extinção ter causado polêmica. "O Ministério do Trabalho vai continuar com status de ministério, não vai ser secretaria. Vai ser Ministério ‘Disso, disso e do Trabalho’, como [cita como exemplo] Ministério da Indústria e Comércio”, afirmou, na ocasião.

De acordo com o Onyx, a parte de "concessão de carta sindical" vai para a Justiça, a parte voltada a políticas de geração de emprego vai para o Ministério da Economia e outra parte ficará na Cidadania - pasta anunciada na semana passada que juntará as atribuições do Desenvolvimento Social, Esporte e Cultura.

Macaque in the trees
Onyx Lorenzoni (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil )

Pastora

Lorenzoni também falou sobre o Ministério dos Direitos Humanos, confirmando que a pastora evangélica Damares Alves é o nome "mais provável". "Mais provável que ela seja confirmada ao longo da semana. Quem confirma sempre, e essa disciplina mantenho, é o presidente", ponderou o ministro.

Damares é assessora parlamentar do senador Magno Malta (PR-ES), que figurou entre os cotados para assumir um ministério no governo de Bolsonaro.

Até agora, o presidente eleito já anunciou 20 ministérios e a expectativa é que ele anuncie o resto da equipe nesta semana. Falta anunciar o nome do ministro do Meio Ambiente e dos Direitos Humanos. O presidente eleito vem à Brasília na terça-feira, 4, e terá reuniões com as bancadas dos partidos.