Jornal do Brasil

Economia

Nova York em alta ajuda Ibovespa para voltar aos 85 mil pontos

Jornal do Brasil

Após um dia de forte correção, o Ibovespa tem abertura positiva nesta sexta-feira, 19, no último pregão da semana e seguia em alta amparada por seus pares no exterior. O ambiente externo favorável dá espaço para que, por aqui, os investidores estejam mais propensos às compras.

Pouco antes do fechamento deste texto, o Ibovespa acelerou o ritmo de alta rumo aos 85 mil pontos após os mercados acionários em Nova York renovarem máximas na sessão. Antes mesmo da abertura do pregão dos pares americanos, o índice à vista por aqui já ensaiava o retorno ao patamar que havia largado na quinta-feira.

"Hoje é um dia de ajuste às quedas de ontem. No exterior, isso não significa uma tendência de alta, uma vez que pesa a percepção de risco em relação ao aperto monetário dos Estados Unidos", disse Nicolas Balafas, da Planner Corretora. "No plano interno, o mercado já pavimenta uma alta com o candidato pró-mercado Jair Bolsonaro dando sinalizações ainda superficiais, mas positivas."

Às 10h52, o Ibovespa tinha alta de 1,15%, aos 84.810,37 pontos. Nos Estados Unidos, o Dow Jones subia 0,76% e o Nasdaq avançava 1,09%. Também os contratos futuros de petróleo operavam em alta, com Bret subindo 1,59% e o WTI, 1,28% no horário acima.

Mais cedo, as bolsas chinesas embarcaram num rali à medida que autoridades do governo da China vieram a público de maneira coordenada para tranquilizar investidores após a divulgação de números de crescimento econômico abaixo do esperado.

Investidores apostam nas ações do governo chinês para conter esse movimento. A alta no mercado acionário asiático ajudou os pares europeus, que pouco antes do fechamento deste texto, saiam do negativo e já operavam com sinais mistos.

Na cena interna, com as pesquisas de intenção de voto sinalizando liderança com folga de Jair Bolsonaro (PSL), os agentes de mercado voltam os olhos para a formação da equipe econômica do eventual futuro presidente, principalmente para a presidência do Banco Central, uma vez que Paulo Guedes já está definido como ministro da Fazenda.

Guedes mostra preferência pela manutenção de Ilan Goldfajn no cargo, mas rumores de que ele não ficaria no cargo desencadearam, na tarde de quinta, certa cautela dos investidores pelas incertezas inerentes ao tema.

Destaque ainda para leilão de privatização da Cesp. Mais cedo, o governo de São Paulo conseguiu reverter a decisão judicial que suspendia o processo de renovação de contrato de concessão da hidrelétrica de Porto Primavera, principal ativo da companhia. A entrega das propostas, prevista para às 10 horas, foi adiada para às 12 horas.

 



Recomendadas para você