Juros seguem câmbio e, depois de abrirem em queda, exibem leve alta

No mercado de juros futuros, as taxas abriram com viés de baixa nesta segunda-feira, 1º de outubro, e, minutos depois, passaram a exibir leve alta. O comportamento está alinhado ao dólar, que oscila ao redor do último fechamento.

A última semana antes do primeiro turno das eleições começa com o investidor assimilando as últimas pesquisas - que confirmaram a polarização entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) - e as manifestações pelo Brasil e outros países contra o líder nas pesquisas no último sábado, enquanto aguarda novidades.

Na sexta-feira, as taxas futuras fecharam em alta, influenciadas pelo avanço do dólar e a uma cautela com a cena eleitoral. Apesar da cautela local, o mercado segue com a percepção de que o ciclo de aperto monetário começará este mês de forma gradual.

A curva de juro a termo precificava no fim de tarde de sexta-feira, 79% de chance de alta de 0,25 ponto porcentual da Selic (de 94% na véspera), e 21% de possibilidade de aumento de 0,50pp (de 6% um dia antes), segundo cálculos da Quantitas Asset.

O Relatório de Mercado Focus mostra que a mediana para o IPCA este ano passou de alta de 4,28% para elevação de 4,30%. Há um mês, estava em 4,16%

Às 9h53, o DI para janeiro de 2021 estava em 9,61% ante 9,586% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2023 estava em 11,15% ante 11,125% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2020 estava em 8,36% ante 8,326% no ajuste de sexta-feira.