Em leilão, Exxon e QPI levam campo de Titã, com lucro-óleo mínimo de 23,49%

O consórcio formado pela ExxonMobil (operadora), com 64% de participação, e a QPI Brasil, com 36%, arrematou o bloco Titã, na 5ª Rodada de Licitações de Partilha da Produção promovida pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), com excedente em óleo de 23,49%, frente ao mínimo predefinido de 9,53%. O bônus de assinatura previsto em leilão é de R$ 3,125 bilhões.

Ao todo, quatro empresas, em dois consórcios, participaram da concorrência. Além do vencedor, o consórcio formado pela Shell e Ecopetrol, que apresentou excedente em óleo de 11,65%, disputou a área.

A Petrobras não apresentou oferta pela área. Localizada na Bacia de Santos, a área é um dos destaques da concorrência, ao lado de Saturno.

Até agora, a ANP arrecadou R$ 6,25 bilhões em bônus de assinatura.

O ágio da primeira área ofertada, de Saturno, foi de 300,23%, e a de Titã, de 146,48%.