Prêmio do Cinema anuncia finalistas

A Academia Brasileira de Cinema divulgou ontem os finalistas do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2018. “Bingo, o rei das manhãs”, de Daniel Rezende lidera com 15 indicações, seguido por “A Glória e a Graça”, de Flávio Tambellini e “Como nossos pais”, de Laís Bodanzky, cada um com dez.

Este ano, a disputa será entre 36 longas e 20 curtas nacionais, além de cinco longas estrangeiros, que concorrem ao Troféu Grande Otelo em 25 categorias. 

A cerimônia acontece dia 18 de setembro na Cidade das Artes e terá transmissão ao vivo no Canal Brasil. A homenageada será Fernanda Montenegro, que celebra 75 anos de carreira. 

“A Academia representa todas as gerações de cineastas, desde a turma do Cinema Novo até diretores jovens que vêm se destacando nos últimos anos. E os indicados para o prêmio refletem essa pluralidade em longas de ficção dos mais diversos gêneros, documentários, curtas-metragens e filmes de animação em geral”, diz o presidente da Academia Brasileira de Cinema, Jorge Peregrino, que sucedeu Roberto Farias, que morreu em maio. 

Uma das características desta edição foi o aumento de filmes na categoria “melhor longa-metragem de animação”, que, tradicionalmente, tem no máximo duas produções inscritas. Pela primeira vez terá cinco filmes concorrendo ao Troféu Grande Otelo. Depois da indicação de “O menino e o mundo”, de Alê Abreu, ao Oscar em 2016, a animação brasileira voltou a ter grande visibilidade internacional com a homenagem que recebeu, em junho, no tradicional Festival de Annecy, na França. 

Os finalistas do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro são escolhidos pelos sócios da Academia e os vencedores serão anunciados no segundo turno, com os votos dos membros e do público.

PRINCIPAIS FINALISTAS DO GRANDE PRÊMIO DO CINEMA BRASILEIRO:

Melhor longa de ?cção 

“A Glória e a Graça”, de Flávio Ramos Tambellini 

“Bingo, o rei das manhãs”, de Daniel Rezende 

“Como nossos pais”, de Laís Bodanzky 

“Era o Hotel Cambridge”, de Eliane Caffé 

“Gabriel e a montanha”, de Fellipe Barbosa

Melhor longa documentário 

“Cora Coralina - Todas as vidas”, de Renato Barbieri 

“Divinas divas”, de Leandra Leal 

“No intenso agora”, de João Moreira Salles 

“Pitanga”, de Beto Brant e Camila Pitanga 

“Um filme de cinema”, de Walter Carvalho

Melhor longa de animação 

“As aventuras do pequeno Colombo”, de Rodrigo Gava 

“Bruxarias”, de Virginia Curia Martinez 

“Bugigangue no espaço”, de Ale McHaddo

“Historietas assombradas – O filme”, de Victor-Hugo Borges 

“Lino – Uma aventura de sete vidas”, de Rafael Ribas

Melhor direção 

Daniel Rezende, Daniela Thomas, Eliane Caffé, Fellipe Barbosa e Laís Bodansky

Melhor atriz 

Carolina Ferraz, Caroline Abras, Dira Paes, Leandra Leal, Maria Ribeiro e Marjorie Estiano

Melhor ator 

Alexandre Nero, Irandhir Santos, Jesuíta Barbosa, João Pedro Zappa e Vladimir Brichta