Projetos contemplados pelo Rumos têm foco em diversidade e acessibilidade

De um jogo de cartas sobre personalidades negras a um espetáculo teatral com um palhaço surdo, em língua de sinais. Os projetos contemplados pelo programa de fomento cultural Rumos, no biênio 2017-2018, foram revelados ontem, e mostram foco em diversidade e acessibilidade. O programa é uma ação do Itaú Cultural, realizada, bienalmente, há mais de 20 anos. Para a nova edição, ao todo foram selecionados 109 projetos, de todos os estados e Distrito Federal, a partir de mais de 12.600 inscrições, que vieram também de outros 18 países, como Argentina, Canadá e Moçambique. 

Cerca de 40 avaliadores fizeram a seleção e o resultado, de acordo com o próprio Itaú Cultural, foi um grande número de projetos com temáticas atuais de diversidade e inclusão, com assuntos como questões ligadas à negros, pessoas LGBTQIA+, indígenas e à mulher, além de propostas inclusivas, para pessoas surdas ou cegas, por exemplo. “Observamos nesta edição que, em projetos como esses, de perfil étnico e de comunidades específicas, há uma maior participação do artista, pesquisador ou agente da obra proposta, que passa a ser objeto e sujeito da ação a que se propõe”, disse o diretor do Itaú Cultural, Eduardo Saron, em comunicado.

A variedade na seleção se dá não apenas no campo de temáticas, mas nas próprias atividades culturais contempladas. São espetáculos teatrais, projetos audiovisuais, instalações artísticas e até mesmo quatro histórias em quadrinhos. Projetos de cinema lideram a lista final, com 14% dos selecionados. Em seguida, estão projetos sobre patrimônio e memória (13,8%), teatro (11,9%), música (11,0%) e artes visuais (10,1%).