Projeto Samba do Bem faz segunda edição na sede do Fluminense, no Rio

Como já dizia Dorival Caymmi nos versos de “Samba da Minha Terra”, quem não gosta de samba bom sujeito não é, é ruim da cabeça ou doente do pé. E é com o objetivo de cantar o samba em favor de uma causa nobre que um time de artistas, que inclui Dorina, Bruno Sotto, Nilze Carvalho, Sandra Portella e bloco Fogo e Paixão, abraçou o projeto Samba do Bem, cuja segunda edição acontece no sábado 10 de dezembro, às 17h, na sede do Fluminense Futebol Clube, em Laranjeiras. Apresentado por Andréa Veiga, o Samba do Bem tem como objetivo levantar fundos para as obras sociais da Casa de Francisco de Assis, localizada em Laranjeiras.

A Casa de Francisco de Assis existe há 41 anos num casarão de Laranjeiras, Zona Sul do Rio de Janeiro. No local funciona a Creche Santa Clara, inaugurada em 1996, e que assiste 72 crianças (começou com apenas oito) de comunidades carentes da região. Lá, elas recebem tratamento médico, odontológico, terapêutico e psicológico oferecidos por profissionais voluntários. Isso mesmo. A instituição conta hoje com 120 voluntários que atuam juntamente com os 33 funcionários contratados. 

Manter o projeto de pé atendendo da melhor forma possível todas essas crianças é uma tarefa árdua para os administradores da Casa de Francisco de Assis. A renda da obra social vem, majoritariamente, de doações de pessoas físicas (a Prefeitura do Rio cobre o custo de 1/3 de 40 crianças). Parte do sustento da casa vem de bazares promovidos em diferentes pontos da cidade durante o decorrer do ano. Mesmo assim, a conta não fecha. E foi dessa maneira que surgiu, há dois anos, o Samba do Bem. O evento conta com o apoio de profissionais de qualidade do mundo do samba e é mais um canal de arrecadação para ajudar a manter os custos da obra social.

De acordo com a presidente da instituição, Elizabeth Bomfim, eventos como o Arraiá do Bem – que acontece desde de 2007 e é um dos alicerces da Casa – e Samba do Bem possibilitam que a Casa de Francisco de Assis dê continuidade ao projeto da obra social.  “Se não fossem estes projetos certamente não conseguiríamos continuar com esse trabalho social que é tão importante e que atende a todas essas crianças”, diz Elizabeth.

A primeira edição do “Samba do Bem” foi muito bem recebida e deve repetir o sucesso no próximo sábado, dia 10, com esse time de artistas.