Suíte de jovem músico carioca será gravada pelo Quarteto Maurice

Qual o jovem compositor brasileiro que tem o privilégio de ter uma criação executada por um dos mais prestigiados quartetos de música de câmara do mundo? O carioca Luiz Castelões tem, aos 39 anos, tal privilégio. Sua suíte “7 fábricas” será apresentada pelo Quarteto Maurice, sábado (dia 10), na Capella di Santa Elisabetta, na Casa Lajolo, em Turim, Itália, onde o compositor cumpre residência apoiada pelo Ibermúsicas. A composição será gravada pelo quarteto e estará disponível em plataformas digitais de música.

A criação é erudita, mas teve como premissa um samba. Mais exatamente os primeiros versos de “Três apitos”, clássico de Noel Rosa, que aludem ao apito da fábrica de tecidos – daí o “7 fábricas” que dá título à composição. A suíte é dividida em sete movimentos que ganharam títulos como “Rock” e “Pop” (o segundo e o terceiro, respectivamente) e “Autorama” (4º movimento), no qual as cordas reproduzem os sons de carros. “A temática gira em torno dos sons de uma fábrica, com  a rítmica pulsante de uma fábrica”, explica Castelões.

As referências ao pop e ao rock estão há muito arraigadas na vida de Castelões, doutor em música pela Universidade de Boston e professor de Composição na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Seu primeiro contato com o piano começou aos 8 anos, e o interesse pela música foi despertado por um ídolo dele na época. “Queria ser o Michael Jackson”, relembra ele com bom humor.

Os laços entre o músico carioca e seus colegas italianos começaram em 2013, no Festival Composit, em Rieti, Itália. Ali, ele e duas musicistas do Maurice executaram juntos “Cartoon etude”, trio para piano composto por Castelões. A química deu tão certo que o músico voltou ao Brasil com a encomenda de algo para quarteto de cordas. Um ano depois, o Maurice gravava composição feita por Castelões especialmente para eles. “Sete fábricas” é , portanto, a segunda vez que o Maurice grava algo de Castelões. Que venham outras parcerias.