Hamilton de Holanda apresenta 'Samba de Chico' dia 17 de maio, no Rio

Bandolinista homenageia centenário do samba com músicas de Chico Buarque

O objetivo era lançar um disco dentro da celebração dos 40 anos de Hamilton de Holanda, mas com tantas ideias, o que se fazer? Composições novas? Músicas conhecidas? Homenagear um gênero ou um compositor? Foi então que nasceu 'Samba de Chico' e junto o desafio de transformar um repertório de canções muito conhecidas do grande público em um disco de música de essência instrumental.

“O objetivo era encontrar um novo caminho para chegar ao mesmo destino: a emoção. As notas musicais contam histórias e segredos do poeta. O sentimento chega ao coração pelas melodias de Chico Buarque e alguns de seus parceiros. Tudo feito com respeito e reverência ao compositor. Uma merecida homenagem aos 100 anos do Samba, fundamental para a cultura brasileira como água”, conceitua Hamilton de Holanda.

A vontade de gravar um disco todo dedicado ao repertório do compositor é antiga. Junto ao pianista italiano Stefano Bollani gravou "O que será?', música que também dá nome ao disco. Em 'Hamilton de Holanda Trio', que recentemente ganhou no Prêmio da Música Brasileira como Melhor Solista e Melhor Disco Instrumental, o bandolinista lançou 'Sinhá' e 'O que será?'. Nas edições do Baile do Almeidinha, 'Vai passar' é cantada em coro pela plateia cativa da gafieira contemporânea, que há três anos ocupa mensalmente o Circo Voador.

A maior dificuldade encontrada por Hamilton foi a escolha do repertório. Com tantos sambas bons, precisaria de mais uns dois ou três discos pra gravar tudo. Durante o processo de seleção das canções Buarqueanas, o bandolinista, compositor em sua essência, fez um samba inspirado nas melodias do homenageado e que dá titulo ao álbum.

“‘Quem te viu quem te vê’ não podia faltar, ‘A Rita’ e ‘Construção’, também não. As canções trazem o DNA da Música Popular Brasileira. Vem Tom Jobim, vem Pixinguinha, vem João da Bahiana, Noel Rosa. Vem Arlindo Cruz, Zeca Pagodinho, Nelson Cavaquinho. A turma toda chega através das melodias dos sambas de Chico”, conta Hamilton.

Em 'Samba de Chico', Hamilton de Holanda, com seu bandolim de 10 cordas, é elegantemente acompanhando por Thiago da Serrinha na percussão e pelos contrabaixistas (revezando) Guto Wirtti e André Vasconcellos. O bandolinista conta ainda com as participações internacionais do pianista italiano Stefano Bollani nas faixas 'Vai trabalhar vagabundo' e 'Piano na Mangueira', e da cantora catalã Silvia Perez Cruz que canta 'O meu amor' e 'Atrás da porta' - ela confessa que aprendeu a cantar ouvindo o nosso idioma. 

O trabalho ganha o aval do homenageado em duas faixas, 'A volta do malandro' e 'Vai trabalhar vagabundo', música que não cantava há mais de 20 anos. “E o bandolim, rodeado de amigos, mostra suas raízes e seus frutos”, finaliza Hamilton de Holanda.

O disco é uma coprodução da Gravadora Brasilianos, que tem com o seu sócio e parceiro criativo Marcos Portinari, e a Gravadora Biscoito Fino. O disco foi gravado no Estúdio Fibra, no Rio de Janeiro, com a mixagem de Daniel Musy e masterização de André Dias, outras duas parcerias que já lhe renderam três indicações como Melhor Engenharia de Áudio no Latin Grammy. O projeto gráfico foi desenvolvido pelo designer Fernando Salles a partir das fotos que retratam o cotidiano carioca feitas no Mercado Municipal do Rio de Janeiro (Cadeg).

Serviço: Hamilton de Holanda em 'Samba de Chico'

Data: 17 de maio, as 21h

Local: Theatro Net Rio – Sala Tereza Rachel. Rua Siqueira Campos, 143 – Sobreloja – Copacabana

Ingresso: R$ 120,00 (plateia) R$ 90,00 (balcão)

Classificação: 12 anos.

Mais informações: 21 2147 8060 / 2148 8060 ou www.theatronetrio.com.br