Paço Imperial apresenta 'Mauricio Bentes: formas incandescentes'

O Paço Imperial inaugura dia 15 de outubro, às 18h30, a exposição "Mauricio Bentes: formas incandescentes". Sob a curadoria de Marcus de Lontra Costa, a mostra apresenta 35 obras que traçam um panorama do trabalho do artista que iniciou sua carreira em 1981, despontou como um dos expoentes da Geração 80 e morreu precocemente em 2003, aos 45 anos.

Discípulo de Celeida Tostes na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio e de Haroldo Barroso nas Oficinas do Museu do Ingá, em Niterói, Bentes foi o grande nome da escultura brasileira da década de 1980 até o ano 2000. A poética sensorial do artista ultrapassa os limites da escultura e envolve outros sentidos além da visão. Sua obra tridimensional transita por esculturas, instalações, videoinstalações, monumentos públicos, intervenções, cenografias para cinema, espetáculos teatrais e balés. Inicialmente em cerâmica e depois em ferro e aço, suas obras caracterizam-se por uma ação incisiva do fogo que molda e transforma os materiais.

Utilizando a solda, o artista produziu uma surpreendente metalurgia poética onde as formas surgem em pleno estado de suspensão. A introdução do néon e de outros recursos de luminosidade dão às suas esculturas uma potência inusitada, sugerindo ora elementos vindos do interior da terra ora estranhos e belos meteoritos de espaços distantes do universo. Ao mesmo tempo, Bentes realizou obras de grandes dimensões, criando elementos cenográficos e de integração arquitetônica, como no caso das criações artísticas para os prédios públicos da cidade de Palmas no Tocantins. Em 1989, após a morte de Barroso, assumiu a direção da Oficina de Escultura do Ingá, onde permaneceu até  2002.

Segundo o curador, "do orgânico ao construtivo, toda a obra de Mauricio Bentes contém o ímpeto da dualidade. A obra de arte se constrói a partir do embate de ações opostas: a organicidade e a construção, o opaco e a luminosidade. Fiel aos princípios de sua geração, a práxis é o local da descoberta e da criação de novos caminhos. Por isso ele é arquiteto e operário, ferreiro, aquele que funde a matéria e forja a forma. A luz é a imanência efêmera de um objeto que surge das entranhas da terra e assim a obra se revela diante do nosso olhar; bela e generosa, ponte entre os tempos, tradição e inovação unidas na formação do espetáculo contemporâneo."

"Mauricio Bentes: formas incandescentes"

Curadoria: Marcus de Lontra Costa

Abertura: 15 de outubro as 18h30.

Exposição: 16 de outubro a 29 de novembro de 2015

Horário de funcionamento: Terça a domingo, das 12h às 18h

Local: Paço Imperial

Endereço: Praça XV, 48 - Centro. Rio de Janeiro - RJ

? 21 2215-2622 | 2533-4207