Orquestras jovens da Maré e do Forte de Copacabana participam de concerto pela paz, no Rio

Espetáculo acontece no próximo dia 27, às 18h, no Forte de Copacabana

Um concerto especial pela paz no Rio. Esta é a iniciativa que reunirá os jovens músicos da Orquestra Violões do Forte de Copacabana e da Orquestra Maré do Amanhã no próximo sábado (27), para um espetáculo musical em reação aos diversos casos de violência vividos nos últimos tempos na Cidade. No repertório, músicas de mestres da MPB como Milton Nascimento e Edu Lobo, além de composições autorais das próprias crianças e adolescentes.

A iniciativa reúne dois projetos de inclusão social de jovens carentes por meio da música. “Montamos o projeto para mudar o destino das crianças da Maré.”, conta Carlos Eduardo dos Prazeres, maestro e idealizador da Orquestra da Maré, trabalho que abrange, hoje, 300 crianças na faixa de 8 a 16 anos. Em 1999, o pai de Prazeres, o maestro Armando Prazeres, foi assassinado por criminosos da Maré durante um sequestro relâmpago. No lugar de ódio e vingança, Carlos Eduardo imaginou um desfecho diferente, que, dois anos depois, mudaria para sempre o destino e futuro das crianças da comunidade. Nascia a Orquestra Maré do Amanhã. “Dá um sentimento de dever cumprido, foi a melhor forma que eu encontrei de manter a memoria do meu pai viva. Quem olha para uma criança dessa com os corais e vê que a obra dele não acabou. Saber que uma criança dessa podia estar envolvida com coisas que não deve e agora está envolvida com a música”, afirma Carlos Eduardo.

A Orquestra Violões do Forte de Copacabana, também, coleciona histórias de sucesso entre seus jovens. São meninos que foram resgatados do universo do crime e das drogas, reintegrados ao ambiente escolar, incetivados a valorizar a autoestima e estimulados a conquistar um futuro melhor. “Teremos um encontro surpreendente. São orquestras especiais porque reúnem jovens dispostos a mudar o mundo com a música. É isso que nos comove e incentiva. São meninos e meninas que têm dificuldade para continuar essa caminhada. Alguns moram longe ou em comunidades que, às vezes, padecem com a violência nos lugares onde moram. Admiramos esses jovens e acreditamos no potencial de cada um. Será uma grande apresentação”, aposta Márcia Melchior, coordenadora da Orquestra Violões.

A Orquestra Violões

A Orquestra Violões do Forte de Copacabana é uma iniciativa do Instituto Rudá e do Comando do Forte de Copacabana. Desenvolvido dentro do Forte, o projeto de inclusão social e cultural vem realizando grandes sonhos, selecionando jovens de comunidades (Pavão-Pavãozinho, Cantagalo, Chapéu Mangueira, Babilônia e Santa Marta) que se destacaram na seleção pelo seu grau de amadurecimento musical, além da frequência regular no ensino formal. Os componentes da Orquestra Violões do integram ou são oriundos da rede de ensino pública. Eles ensaiam duas vezes por semana no Forte de Copacabana. O talento e a aptidão musical são os fatores que fazem a diferença para a escolha dos integrantes da Orquestra. Além dos violões, a orquestra reúne outros instrumentos, como clarineta, flauta transversa, violoncelo, violino, viola, piano, baixo, percussão e bateria.

O projeto conta com a direção executiva de Márcia Melchior, com a coordenação do músico Antônio Carlos, da dupla “Antônio Carlos e Jocafi”, arranjos de Flávio Goulart de Andrade e regência de Luiz Potter.

Orquestra convidada: Orquestra Maré do Amanhã

Orquestra Maré do Amanhã: uma iniciativa nascida do Projeto Estrada Cultural, a orquestra foi criada em 2010 e tem sede no CIEP Operário Vicente Mariano, no Complexo da Maré. Formado por crianças e adolescentes de escolas públicas municipais e estaduais da comunidade, o projeto busca a profissionalização de seus integrantes, enquanto transforma suas vidas através do poder da música.

Serviço: Concerto Pela Paz - especial Orquestras Maré do Amanhã e Violões do Forte de Copacabana 

Data: 27 de junho, sábado, as 18h

Local: Forte de Copacabana, Praça Coronel Eugênio Franco, n°1, Copacabana

Capacidade: 200 lugares com entrada gratuita e classificação livre