Projeto Velocidade realiza show de encerramento gratuito no Andaraí dia 5

Projeto cria oportunidades no Complexo do Andaraí com nomes da MPB apadrinhando novos talentos

No dia 5 de julho, às 17h, será realizado o show de encerramento da primeira edição do Projeto Velocidade Música, na Praça Nobel, no Andaraí, para um público estimado em 2 mil pessoas. A iniciativa é da Dona Rosa Filmes com patrocínio Light e apoio da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro. A Associação de Moradores do Complexo do Andaraí abraçou e apoiou a proposta colaborando e potencializando o seu alcance. 

O Velocidade Música é um projeto de incentivo à cultura, que pretende valorizar e criar oportunidades para a música da periferia carioca, além de reconhecer talentos escondidos nas diversas comunidades contempladas.  Em sua primeira etapa, recebeu inscrições de compositores do Complexo do Andaraí, na maioria entre 18 e 30 anos, que apresentaram sambas, pagodes e funks, entre outros ritmos. A partir daí, um júri composto por Arthur Maia, Paulão 7 Cordas, Noca da Portela e Liomar Eleutério (vocalista da banda Pique Novo) selecionou 10 inscritos, que participarão de workshops ao longo de um mês e, ao final, gravarão suas composições em estúdio profissional, com direção musical do Paulão 7 Cordas. 

O projeto é uma oportunidade única para os jovens com interesse musical contando com o direcionamento de profissionais renomados e com trajetórias semelhantes que os auxiliarão na preparação para o show de encerramento. Além dessa experiência, será gravado um CD com tiragem de mil cópias com as 10 músicas finalistas.

No Complexo do Andaraí, como em muitas outras áreas carentes, a música exerce um papel social de fundamental importância, seja através das rádios locais, dos bailes, pequenas rodas de samba e encontros musicais. "As comunidades têm uma produção musical expressiva e eclética. Nosso objetivo é tornar o projeto anual e contemplar diversos pontos da periferia, sempre incentivando a expressão musical e, literalmente, dando voz a quem não tem oportunidade de aprimorar, profissionalizar e divulgar um trabalho autoral", avalia Mariana Marinho, idealizadora desta primeira edição, que acontece no Andaraí, Borda do Mato, Nova Divineia, Jamelão, João Paulo II e Juscelino Kubistchek (que juntos compõem o Complexo do Andaraí, com população em torno de 30 mil pessoas). 

Diretor musical da primeira edição do Velocidade Música, Paulão 7 Cordas comenta a sua participação: "Meu trabalho é apresentar qualidade profissional aos finalistas. Eles vão aprender como se faz música e quais os caminhos para se firmar na carreira", afirma. "Espero conseguir uma boa troca, que é o que a gente sempre busca em todo projeto musical, seja com artistas consagrados ou novatos. Torço para que os candidatos estejam de peito aberto para aprender e ensinar, assim como eu estou".

Para Noca da Portela, a iniciativa o remete à sua própria experiência: "Quando penso nesses jovens que estão participando, penso em mim. Também comecei assim, nas comunidades da vida. E hoje, sou o maior ganhador de samba-enredo da Portela, tenho música gravada com todo mundo, todo mundo grava minhas músicas. Mas comecei exatamente como esses meninos. Estou aplaudindo esse projeto e muito feliz por fazer parte dele", conta.

Vocalista do grupo Pique Novo, atração de encerramento da noite e sucesso no Complexo, Liomar Eleotério ressalta ainda a oportunidade que surge: "Uma coisa bonita do Velocidade Música é a oportunidade que ele cria. É muito difícil ter investimento em um talento artístico nas comunidades. As dificuldades começam já em casa. A gente sabe que é complicado fazer um curso de música, estudar. Às vezes, custa quase um salário. Escolher entre fazer compras de mês para a família ou estudar música, fica complicado, né? Eu vejo que esse projeto vai dar um foco de luz para essas pessoas", comemora.

Os 10 finalistas terão a oportunidade de mostrar seu trabalho em um grande show, acompanhados por um grupo especialmente formado para a apresentação do dia 05, aberta ao público. Entre os nomes selecionados está Vera de Jesus, compositora autodidata e neta de Clementina de Jesus, que sempre quis seguir os passos da avó, mas nunca teve oportunidade: "A minha música que foi selecionada foi feita há muitos anos, mas estava guardadinha na gaveta porque eu nunca tinha tido oportunidade de mostrar esse trabalho. O festival está abrindo essa porta de profissionalização da minha música", avalia. Outro selecionado, Marcelo Xingu torce para que o projeto tenha continuidade: "Essa iniciativa é show de bola, a gente não podia perder a oportunidade de participar. Espero que esse projeto vingue não só aqui, como também em outras comunidades."

Na mesma data, também subirá ao palco da Praça Nobel, o bloco carnavalesco Cata Latas, do Grajaú: uma iniciativa local que reaproveita o lixo na confecção de instrumentos de percussão. O grupo Pique Novo será a atração de encerramento da noite.

O júri

Arthur Maia: considerado pela crítica especializada um dos melhores baixistas do mundo, Arthur Maia (Rio de Janeiro, 9 de Abril de 1963) é um músico brasileiro que criou e desenvolveu um estilo próprio de tocar seu instrumento e, com isso, tornou-se muito popular e requisitado para trabalhos e shows com grandes nomes da música internacional, como Jorge Benjor, Gal Costa, Lulu Santos, Caetano Veloso, Roberto Carlos, Martinho da Vila, Djavan, Milton Nascimento, Marisa Monte, Leila Pinheiro, César Camargo Mariano, Plácido Domingo, Ayrto Moreira, Paquito D'Rivera, Carlos Santana, George Benson, Ernie Watts e Sheila E., entre outros. É ainda o baixista que acompanha Gilberto Gil há mais de uma década.

Paulão 7 Cordas: natural da cidade do Rio de Janeiro, de família de músicos, ele começou sua carreira aos 20 anos, acompanhando Nélson Cavaquinho. Em seus vários anos de carreira, assinou a direção musical e os arranjos de diversos shows e discos de grandes nomes da MPB, como Zeca Pagodinho, Wilson Moreira, Argemiro da Portela, Nei Lopes, Xangô da Mangueira, João Nogueira, Roberto Silva, Tia Surica e Cristina Buarque, entre muitos outros.

Noca da Portela: Osvaldo Alves Pereira (Leopoldina, 12 de dezembro de 1932), mais conhecido como Noca da Portela, é um compositor, cantor e instrumentista brasileiro. Compôs sambas-enredo e vários sambas de sucesso, gravados por cantores consagrados, como Virada, Interpretado pela ilustre Beth Carvalho e considerado um símbolo da luta pela democratização do país. No final dos anos 90, apresentou na rádio 94FM do Rio de Janeiro o programa Na Casa de Noca, onde entrevistava expoentes do samba e divulgava seus recentes trabalhos.

Liomar Eleotério (Pique Novo): com o jeito brincalhão e irreverente, sem perder a seriedade, o Pique Novo tem conquistado cada vez mais o grande público. A forma suave e melódica de falar de amor, aliada ao respeito adquirido ao longo de uma história de sucesso, faz com que o grupo seja considerado um dos maiores grupos de pagode da atualidade.

Com o passar dos anos, o grupo demonstrou um crescente amadurecimento musical, o que despertou a atenção de vários contratantes do Brasil e do exterior. Em 1997, quando lançou o primeiro CD, “Em cada esquina”, o Pique Novo foi convidado a fazer uma turnê na Venezuela. O sucesso foi tão grande que, em seguida, o grupo recebeu convites para se apresentar por todo o Brasil. 

Serviço

Velocidade Música - Show dos finalistas do projeto e encerramento com o Grupo Pique Novo

Abertura: Bloco Cata Latas 

Data: 05 de julho, domingo, das 17h às 22h

Local: Praça Nobel, Andaraí

Entrada Franca