Dia Nacional do Samba tem programação variada no Rio

Comemorações começam nesta quinta (29) e vão até domingo (02)

Ary Barroso compôs o samba Na Baixa do Sapateiro, em homenagem à Bahia. Em 02 de dezembro de 1940, o compositor mineiro foi a primeira vez a Salvador e, em retribuição ao artista, o então vereador Luís Monteiro da Costa aprovou uma lei oficializando aquela data como o Dia Nacional do Samba. O reconhecimento veio em 1963 e neste dia, passou-se a celebrar o ritmo anualmente. Atualmente, a festa já faz parte do calendário do Rio, botando todo mundo para sambar.

Este ano não será diferente. Os festejos comemorativos começam nesta quinta (29) e vão até domingo (2) com vários eventos, entre shows, palestras e a tradicional viagem do Trem do Samba, que chega a sua 17ª edição. O homenageado deste ano será Chico Santana, representante da Velha Guarda da Portela.

A festa começa em Oswaldo Cruz, bairro de onde saíram grandes nomes deste ritmo, em dois palcos montados nas ruas João Vicente e Átila da Silveira. Na quinta (29) haverá apresentações de Mariene de Castro com Sombrinha, Nei Lopes e dos grupos Jaqueira e Fundo de Quintal. Na sexta (30) tocam Jorge Aragão e a Orquestra Tabajara. 

No sábado (1º) cinco trens, sendo um deles especial só para as Velhas Guardas das escolas de samba, sairão da Central do Brasil em direção a Oswaldo Cruz. 36 vagões levarão o público na viagem do Trem do Samba e o ingresso será 1 kg de alimento não-perecível. "A participação do público é muito importante. Incentivamos todos a levarem os seus cavaquinhos, banjos, pandeiros, cuícas e tamborins para fazermos uma grande festa do samba", diz Marquinhos de Oswaldo Cruz, idealizador do projeto. 

Trajetos animados

O primeiro dos trens, programado para partir às 18h04, traz as Velhas Guardas da Portela, Império Serrano, da Mangueira, Salgueiro e da Vila Isabel. O público em geral poderá embarcar nos outros, que seguirão às 18h24, 18:44h, 19h04 e o último às 19h24, com grupos como Cacique de Ramos, Bip Bip, Criolice, Beco do Rato, animando o trajeto.  

"O Trem do Samba nasceu com o objetivo de promover a interação entre os grandes nomes do samba e o público, além de levar conhecimento por meio do resgate dessa cultura. O que nós estamos fazendo é uma recriação das rodas de samba tradicionais", afirma Marquinhos de Oswaldo Cruz.

Na Central do Brasil, o som começa às 15h do sábado (1), com Noca da Portela, Monarco, Tia Surica, Wilson Moreira, entre outros. Às 19h, em Oswaldo Cruz, o público vai conferir shows em quatro palcos: Arlindo Cruz, Martn’Alia, Martinho da Vila, Dona Ivone Lara, Batuque na Cozinha, Galocanto, são algumas das atrações. Nos três dias do evento, a partir das 18h, acontecerão palestras e oficinas de dança na Lona do Conhecimento, espaço criado na Rua Átila da Silveira, também em Oswaldo Cruz. 

Já no domingo (2), Jorge Aragão, Dudu Nobre, Leandro Sapucahy, Wilson das Neves, Reinaldo, Marquinhos Satã, Monarco e Sombrinha tocam no Parque Madureira a partir das 17h, em um show gratuito. A programação oficial está no site tremdosamba.com. O Rio comemorará o Dia do Samba com variações e estilos do ritmo para todos os gostos, como forma de celebrar sua música, história e cultura.