Jornais do mundo lamentam morte de "rainha do pop" Whitney Houston  

Poucos minutos depois da divulgação da morte de Whitney Houston no último sábado (12), nos Estados Unidos, jornais do mundo inteiro lamentavam a morte da "rainha do pop". O corpo de uma das cantoras e atrizes mais premiadas do planeta foi encontrado por volta das 15h55 (horário de Los Angeles) em uma suíte do Beverly Hilton Hotel, sem nenhum sinal de qualquer ato criminal. A causa da morte ainda não foi esclarecida.

O jornal inglês The Guardian lembrou que a cantora nasceu em berço musical. Ela era filha da cantora gospel Cissy Houston e afilhada de Aretha Franklin. O espanhol El País também dava destaque ao fato, apontando os altos e baixos da carreira, além de volta ao estrelato.

Whitney se preparava para estrelar o filme Sparkle e havia se oferecido a se tornar júri do programa musical The X Factor.

Já o The New York Times comentou sobre a possível presença da cantora na premiação do Grammy. Segundo o jornal norte-americano, Whitney poderia cantar na cerimônia. O argentino La Nación também deu destaque a morte a sua morte, lembrando que em 2008 Whitney entrou no Guinnes Book, o livro dos recordes, como a cantora mais premiada e popular do planeta.