'Balada da praia dos cães', de Cardoso Pires, é reeditado no Brasil

Izabel Margato*, Jornal do Brasil

RIO - Balada da Praia dos Cães é um marco incontornável na literatura moderna. Se com O Delfim, de 1968, o autor inaugura o novo romance português, traçando um divisor de águas, com Balada, de 1982, José Cardoso Pires é aclamado e consagrado.

Romance de linguagem cifrada, um de seus traços mais visíveis é a maneira como é tecida a narrativa. A própria mancha tipográfica, de difícil leitura, já é uma demonstração clara do estilo em que esta Balada é construída: a superposição de planos e de vozes; a superposição de tempos e lugares; a superposição de crimes.

Esse processo que define a escrita faz do romance um xadrez, uma espécie de jogo, em que o autor cria uma combinação de frases para lhes enviesar os sentidos. Trata-se de uma linguagem que simula a investigação e a reconstituição de um crime ocorrido em 1960. O assassinato do major Dantas C., que abalou a sociedade portuguesa da época, foi sem dúvida um crime político. Entretanto, como todos os eixos significativos do romance, este também vem envolvido em ambiguidades, em imprecisões, que dificultam uma identificação imediata.

A cena do cadáver desconhecido, encontrado na Praia do Mastro em 3-4-1960 , que já se insinua na capa de algumas edições de Balada da Praia dos Cães, aparece logo na primeira página do romance, isto é, antes da folha de rosto, com a transcrição de uma ficha necrológica. Essa transcrição é interrompida com asteriscos pela folha de rosto, e depois retomada, também com asteriscos, pela voz de um narrador que dá continuidade à descrição, mas já em um outro registro. Depois desta insólita apresentação, a narrativa propriamente dita se inicia com a primeira parte do romance sob o título: A investigação 7 de maio de 1960 .

1960 é tempo de acirramento do poder ditatorial de Salazar. Tempo de ameaças e de ocupação da cidade. Mas também é um tempo marcado pelas tensões secretas entre a Pide e a polícia judiciária e pelas deturpações dos pontos de vista falseados que dão forma aos segredos de Estado. Para penetrar no interior desse aparato oficial, desse aparelho de Estado, o autor vai investir-se no papel de detetive, vai examinar arquivos, consultar a documentação dos processos-crime, reunir relatos dispersos, para construir possíveis respostas para a pergunta tantas vezes proferida em relação a esse crime: a quem interessava a morte do major Dantas C.?

Num primeiro momento, a trama que envolve esse personagem parece não ter muitos fios. Trata-se de uma tentativa frustrada de ação política contra o regime do Estado Novo português. Trata-se do ex-major do Exército Luís Dantas Castro que em dezembro passado se tinha evadido do Forte da Graça, em Elvas, onde aguardava julgamento por participação num abortado golpe militar. Trata-se da história de quatro pessoas que, depois da fuga, se refugiam numa vivenda perto de Lisboa A Casa da Vereda ou o Covil à espera de um possível apoio que nunca chega. Trata-se, enfim, de uma convivência dramática que se deteriora numa espécie de logro comum, que leva ao desespero, à solidão e à morte. Para revelar essa atmosfera, o autor produz um relato marcado pela tensão, pelo clima, e pela temperatura dos anos 60 em Portugal. Marcado também por uma sintaxe particular, por uma espécie de tom e pelo cheiro de uma época .

Em entrevista ao Diário de Lisboa, em 1983, o escritor nos apresenta uma imagem concentrada da sociedade portuguesa da época: Naquele crime está o país todo, estamos todos nós. Está tudo em jaulas. Enjaulados em gabinetes, em quartos, em casas, em celas, com polícias por todos os lados, é o tempo da sociedade do terror burocrático .

Crime, suspeita, ambiguidade são ingredientes caros aos textos de Cardoso Pires. Poder-se-ia dizer que o escritor chega a alimentar a impressão de que seus textos seriam do gênero policial. No entanto, essa aproximação é enganosa, trata-se muito mais de um movimento da sua ficção, isto é, a tática de quem faz da escrita um modo de decifração. O movimento interrogativo que suscita a decifração é responsável por uma rede de sentidos que ora se aproximam, ora se opõem, ora se anulam, e depois voltam, como ecos, para compor as cenas que condensam e cristalizam os sentidos a serem decifrados. Há muito da prática do detetive nos mecanismos dessa ficção, mas não se trata de uma simples recuperação do gênero; trata-se antes de uma apropriação subvertida, uma prática que trabalha o mistério como isca, para depois investigar a própria ação do detetive e, a partir daí, deslocar o eixo de observação pondo sob suspeita o seu ponto de vista.

Se analisarmos o tom que articula o conjunto da obra do autor, poderíamos dizer que os textos de Cardoso Pires exalam uma atmosfera de crime. Um crime a ser desvendado. Ao longo da leitura de cada texto, vamos percebendo que as pistas espalhadas podem transformar-se em cifras de outras coisas e, principalmente, que cada romance pode ser lido como uma miniatura a ser desdobrada um modelo em escala do real. Este procedimento de escrita fica reforçado com as palavras do próprio Cardoso Pires: O crime que aconteceu ali a morte daquele homem é um crime coletivo. Ali estão todos os nossos medos, as nossas impotências, os nossos fantasmas. Quis fazer uma narração muito transposta dos fatos reais, com os condimentos da imaginação, tal como a imaginação popular transforma os acontecimentos, acrescenta pormenores, adultera o fato . (Diário de Lisboa, 1983)

Esta proposição explicitada pelo autor já evidencia a natureza ambivalente do romance: um crime particular e coletivo; um fato real, mas com os condimentos da imaginação que acrescentam, transformam e adulteram o fato. Daí a natureza ambivalente que o subtítulo do romance encerra: Dissertação sobre um crime; daí também a duplicidade das indicações com que em Nota final o autor encerra o romance: De modo que entre o facto e a ficção há distanciamentos e aproximações a cada passo, e tudo se pretende num paralelismo autônomo e numa confluência conflituosa, numa verdade e numa dúvida que não são pura coincidência .

As proposições desta Nota final põem fim a qualquer ilusão interpretativa que se proponha identificar logo de saída os limites do texto da Balada. Os seus limites não são, por assim dizer, geográficos (ou genéricos) no sentido amplo da palavra, mas simbólicos com toda densidade significativa que essa categoria possa ter. Poder-se-ia dizer que estamos diante de um romance, mas também de uma dissertação que oscila entre o fato e a ficção e institui um movimento cambiante que dilui as fronteiras entre as pessoas reais envolvidas no crime, e as personagens literárias dissertadas de figuras do real . Essa oscilação vai atingir também o testemunho dado por uma personagem ao autor, pois, as suas palavras finais aniquilam os limites dessa possível referencialidade: O medo, uma forma dramática, um limite de solidão. Foi ele quem o disse? São de facto as palavras dele ou do aqui designado arquiteto Fontenova? Ou doutro alguém, quem sabe? Não teria, até, sido eu que me achei a ouvi-lo dizer essa e outras coisas numa memória inventada para o tornar mais exato e real? .

Este último direcionamento memória inventada parece ajustar-se mais concretamente aos modos de interpretar delineados pela escrita de José Cardoso Pires. O livro parece ser uma balada de muitos crimes a investigar. A ambivalência que o caracteriza não é, portanto, uma categoria aleatória, ela faz parte da postura de resistência do autor contra as políticas de esquecimento os crimes contra a memória coletiva. Aproximar a realidade da ficção não é aqui um simples procedimento rentável de escrita, é antes gesto de subversão, ou melhor, um traço estético de resistência contra a parcialidade das verdades assentes. Nesse sentido, trata-se de um procedimento de escrita que interroga e investiga a vasta rede de pequenos e grandes atentados que se interligam na produção de um crime.

As polícias do governo de Salazar investigaram, reconstituíram e formularam as suas versões para os enredos desse crime. Versões produzidas e ajustadas para a elaboração de um processo-crime; versões marcadamente formuladas com precisão de datas, lugares, movimentos e toda a sorte de detalhes necessários à veracidade própria dos autos. Os dois processos-crime (polícia judiciária e PIDE) serão conhecidos após a Revolução dos Cravos, em 1974, quando os arquivos policiais do Estado Novo foram abertos à consulta pública. Esse material está na base da construção da Balada da Praia dos Cães. É um dos relatos que o autor vai examinar para proceder a uma outra investigação e reconstituição do crime; para examinar os seus diferentes desdobramentos e as correlações que definiram a cor do tempo: um tempo cinzento e arrastado. E, finalmente, para captar os núcleos paranóicos de uma ditadura que fez da censura uma sintaxe do pensamento coletivo, uma autêntica profilaxia do Estado que não visava apenas a controlar, mas a criar formas e mentalidade adaptadas ao poder. ( E agora, José?)

Com a erosão da referencialidade, fica reforçada a ideia de que a reconstituição do crime do major Dantas C. não pode ser objetiva. Apesar da obsessão pela justeza dos fatos, o relatório não passa de uma elaboração , construída com os detalhes recolhidos e ajustados por um ponto de vista. É importante reiterar que o que fica mais evidente nesse trabalho de reconstituição do crime é o pouco alcance da visão dos agentes. A insignificância dos dados levantados também se evidencia na inútil pormenorização. Entretanto, a excessiva recolha de detalhes não esconde uma intenção segunda; antes revela diretamente o tipo de preocupação dos agentes da polícia: isto é, a insegurança e o medo de se perder o controle dos fatos. Revela também o exercício de uma malha caseira, tecida para fazer o ponto da situação . O exercício, a elaboração de uma versão que explique toda a situação, tropeça no excesso de pistas, nos palpites, nas suposições e, principalmente, na seleção dos dados feita pelo ponto de vista míope de Elias.

Um outro núcleo de sentido importante para a construção do romance é o posicionamento a partir do qual o escritor examina a cena narrada. Com ele, o autor aprofunda o tratamento que deu ao organismo da polícia judiciária de Lisboa em 1960. O narrador deste romance não é um observador que olha de fora, que analisa o país a partir de um posto privilegiado (uma janela, por exemplo). Na Balada da Praia dos Cães, o narrador aproxima-se perigosamente de Elias; sabe os seus motes e o seu linguajar ordinário; o narrador confunde a sua fala com a de Elias, lê os seus pensamentos e deixa, muitas vezes, que a miopia desse inspetor da polícia judiciária tome conta do relato. O narrador não simula um distanciamento para imprimir às cenas o seu ponto de vista crítico. Este narrador vai além: entra pela polícia judiciária adentro, arrebentando-a pelas costuras. Para conseguir esse efeito, o autor precisa de um narrador móvel, que deslize e se confunda com Elias; precisa de um narrador que também saiba usar as palavras com a perícia de um jogador de bisca. Aí é que está: esse narrador narra como quem joga, escondendo os trunfos para, na cartada final, dominar o adversário.

Cardoso Pires constrói o seu relato como se estivesse no interior da própria polícia judiciária. Com isso, pode encenar os seus mecanismos de investigação, as manhas com que invade e arrebata a confissão de um cadastrado; os seus expedientes, as meticulosas e obsessivas práticas de controle; os medos e as disputas internas. É assim que o autor expõe as deformações do Estado Novo português: isto é, de dentro, entrando pelo microorganismo que compõe a polícia judiciária e arrebentando-a a partir daí.

Nesse processo de investigação, o que se descobre da cena do crime é muito pouco. Melhor dizendo, o que importa é a investigação dos procedimentos da investigação. A partir daí, chega-se aos métodos, às intrigas internas, às costuras mais íntimas do tecido policial; chega-se aos núcleos obsessivos do Estado Novo português.

Com esse processo de reconstituição do crime, o escritor atinge, como é de se esperar, não só a matéria de que se constitui o relato, mas, num lance de maior alcance, atinge os processos cognitivos com que se organiza a cena do mundo. Como não poderia deixar de ser, a ação da polícia judiciária é um prolongamento do núcleo de poder do Estado Novo. Ligada a esse núcleo, também está contaminada pela necessidade de tudo saber; de saber de tudo, com todos os detalhes e, por último, pela necessidade de eliminar as versões contraditórias, ou as suas variantes. O excesso de disciplina, a censura, a eliminação dos pontos em branco, das fissuras, das possíveis interpretações acabam por revelar um núcleo paranóico deste poder, núcleo com que o autor lutou ao longo de sua vida, para entender o fascismo ordinário e quotidiano que ele descreveu e alegorizou como ninguém .

Fascismo que durante décadas impôs a sua versão homogênea de todos os fatos. Versão produzida não por um sistema sofisticado de controle e investigação, mas por uma vigilância e verificação do pequeno detalhe, do visto de perto: a visão míope. Não há nesse processo de investigação uma ação mais elaborada, uma reflexão que ultrapasse as pequenas disputas entre as polícias judiciária e a Pide. Também não há uma tomada de cena mais profunda em que se perceba como eram elaboradas as resistências, ou que possa dar conta das outras faces da realidade política do país. O que o romance reiteradamente coloca em cena são as práticas de poder desse micro-organismo constituído, principalmente, por uma microscopia de pouco alcance.

Nesse sentido, poderíamos dizer que a Balada da Praia dos Cães pode ser lida como uma miniatura, um duplo da sociedade portuguesa da época, com seus núcleos paranóicos, suas deformações e relatos de terror. É esta a verdade que aos poucos se descortina no horizonte do romance. É esse o objeto de luta e confrontação do escritor em sua busca de uma melhor percepção da realidade. Esses procedimentos constituem a expressão da eficácia política do escritor, o seu modo fecundo de se posicionar.

*Izabel Margato é professora de literatura portuguesa da PUC-Rio e pesquisadora do CNPq.