Scorsese e DiCaprio dominam bilheteria americana com Shutter Island

Agência AFP

NOVA YORK - O diretor Martin Scorsese e o ator Leonardo DiCaprio obtiveram com o filme "Shutter Island", A Ilha do Medo, a maior arrecadação nas salas dos Estados Unidos e Canadá neste final de semana, segundo cifras ainda provisórias da Exhibitor Relations: US$ 40,2 milhões.

Baseado no livro "Paciente 67", romance de mistério do escritor Dennis Lehane, autor de sucessos adaptados para o cinema como "Sobre Meninos e Lobos", de Clint Eastwood, "Ilha do Medo" transcorre numa ilha perdida, açoitada por tempestades, onde funciona um asilo psiquiátrico para loucos perigosos.

Leonardo DiCaprio, que, segundo suas próprias palavras, já não é mais o jovem ator que encantou as adolescentes na época de "Titanic", vive um detetive veterano da Segunda Guerra Mundial, encarregado de investigar o misterioso desaparecimento de uma paciente. Pouco a pouco o espectador irá descobrindo seus traumas e terrores profundos.

Esta é a quarta parceria de Scorsese e DiCaprio, de 35, desde "Gangues de Nova York" (2002) e é a que os permite "ir mais longe", declararam ambos em uma recente coletiva de imprensa em Paris quando divulgaram o filme, que descreveram como "uma viagem emocional".

- Já havíamos explorado alguns limites juntos, em 'Gangues de Nova York' e 'O Aviador' - afirmou Scorsese, cujo estilo muito pessoal se concentra em tirar tudo o que pode de seus atores, como fez com Robert De Niro em "Taxi Driver" (1976).

- Depois, em 'Os Infiltrados' (2006) nos demos conta de que podíamos ir mais longe - disse o diretor, que recebeu o Oscar por esse filme.

"Shutter Island" deslocou a favorita do final de semana passado, a comédia repleta de estrelas "Valentine's Day", filme romântico estrelado por Julia Roberts, Anne Hathaway, Jessica Biel, Jennifer Garner e Jessica Alba, que arrecadou US$ 17,2 milhões.

Avatar foi para o terceiro lugar, mais ainda acumulando milhões, ou US$ 2 bilhões em todo o mundo.