Mineiro vê concerto para sons e imagens

Taís Toti, Jornal do Brasil

BELO HORIZONTE - O audiovisual será explorado ao pé da letra na programação de hoje do CineBH, que fica em cartaz na capital mineira até amanhã, com a apresentação de um espetáculo multissensorial que reúne uma seleção de curtas do cineasta e artista plástico Cao Guimarães, com trilha sonora feita ao vivo pelo grupo O Grivo. O cine-concerto pode lembrar os anos de cinema mudo, quando a música era tocada ao vivo nas salas de cinema. Mas Guimarães garante que a relação acaba por aí, e que não se trata de uma homenagem, mas de uma exposição da exuberância plástica e visual da performance ao vivo:

Os meninos de O Grivo têm essa coisa performática, dos instrumentos que criam e dos sons que fazem em cima de objetos precários. Ver a feitura de uma trilha sonora na sua frente tem um valor visual muito interessante.

Entre os objetos precários estão taças de cristal, folhas, galhos e gavetas com cordas, que aparecem entre instrumentos tradicionais, como o violão, e com os computadores dos dois músicos.

Outra característica do cine-concerto é explorar a improvisação na hora de combinar som e vídeo. As trilhas dos curtas já haviam sido gravadas por O Grivo, mas no espetáculo há maior liberdade.

Existe o elemento do acaso no cine-concerto; é o contrário dessa coisa dura e precisa que é ir ao estúdio e gravar. Tocar uma composição ao vivo não é uma coisa certeira como é no filme pronto, a trilha vai se modificando.

Marcos Moreira, que junto com Nelson Soares forma o duo O Grivo, explica que a performance depende muito do vídeo que será exibido.

Em Word/World, por exemplo, é impossível repetir a mesma coisa. Já o Aula de anatomia é todo sincronizado, funciona como uma partitura, a gente tem que seguir exatamente o que está no vídeo.

Além destes, o programa do cine-concerto inclui os curtas Nanofobia, Sin peso, Peiote e Sopro, obras menores (em relação às dimensões) de Cao Guimarães.

A escolha foi muito livre, a gente pegou alguns trabalhos que tivessem questões associativas na forma ou na temática, respeitando também a logística de palco da banda explica o diretor.

Ele também ressalta que os curtas selecionados são coisas quase abstratas , que dialogam fundamentalmente com o som.

É uma valorização do som nesse diálogo, acho que a imagem é muito onipresente (no audiovisual). Nos longas isso fica mais difícil, mas no caso do cine-concerto são peças curtas, sem fala e sem diálogo, o que resulta numa pura relação imagética e sonora.

O Grivo, com currículo extenso na composição de trilhas sonoras, reafirma o poder que a música tem de transformar as obras cinematográficas.

O som tem a capacidade de interferir radicalmente na imagem, cada trilha deixa um filme completamente diferente. Nossa busca é sempre achar um som que dê forma e coesão à imagem e ao filme diz Moreira.

O programa do cine-concerto já havia sido apresentado no Rio , em maio, no Festival Multiplicidade do Oi Futuro. A performance mineira terá algumas surpresas.

Desta vez, vou participar efetivamente, narrando um texto de um livro que escrevi, chamado Histórias do não-ver. Também vai haver uma pequena colagem de falas de personagens do Fim dos sem fim, com três falas sobre a questão da audição do Mestre dos Mestres, que é um personagem icônico e diz coisas bem delirantes e engraçadas conta Guimarães.

Outro destaque da programação de hoje é o documentário Só dez por cento é mentira, sobre o poeta sul-mato-grossense Manoel de Barros.

Estou muito curioso para ver como vai ser a reação no Cine-praça, que é o espaço público do festival. É um filme sobre um escritor, com muita coisa escrita, muitas frases do Manoel diz o diretor Pedro Cezar.

O documentário de Cezar já foi exibido em alguns festivais, onde teve boa resposta de público. Foi o segundo mais bem votado na Mostra de São Paulo de 2008.

É um filme que tem dialogado muito com o público. As pessoas veem a figura carismática e bem-humorada do Manoel e se encantam. Tudo que ele escreve tem muita criatividade e originalidade.

Taís Toti viajou a convite da organização do evento