Escritora inglesa pesquisa neuroses de personagens infantis

Duílio Gomes, jornalista e escritor, JB Online

RIO - A escritora inglesa Laura James, uma leitora contumaz de contos infantis não apenas na infância mas também em sua fase adulta, sempre achou que os personagens infantis pelo seu comportamento, digamos, exótico - estavam carregados de distúrbios e neuroses. Pesquisou o tema juntamente com um amigo psiquiatra e, juntos, chegaram à conclusão que havia mais patologia do que propriamente diversão nas histórias de Branca de Neve, Peter Pan, Lobo Mau e algumas dezenas de outras.

Da conclusão à fatura de um livro sobre o assunto, foi um passo. O Lobo Mau no divã (254 páginas, R$ 35) saiu recentemente na Inglaterra e agora chega ao Brasil pela Editora Best Seller, com tradução de Eduardo Rieche. Quem assina o prefácio é o amigo psiquiatra da autora, Dr. Gareth Vincenti, consultor em psiquiatria e diretor médico do Cygnet Hospital Harrogate, em Londres. Este livro , escreve ele a certa altura, não se propõe a abordar as doenças mentais sob uma perspectiva enciclopédica. Por causa da natureza das histórias para crianças e dos contos de fadas, a ênfase é principalmente em problemas de personalidade, e não nas principais doenças mentais.

Assim, ficamos sabendo que o inocente Ursinho Pooh tem transtorno de Déficit de Atenção e sofre de Hiperatividade. Ou seja, é predominantemente desatento e, por excesso de mel na dieta, está muito acima do peso.

O problema da Rainha de Copas parece bem maior. O poder subiu à sua cabeça e o seu diagnóstico é um estranho Narcisismo Situacional Adquirido. De acordo com a pesquisa de Laura James, ela se mostra distante, é arrogante e presunçosa. Sua frase predileta é Cortem-lhe a cabeça! Ao final do capítulo, a autora pergunta ao leitor Você já encontrou uma Rainha de Copas? Ou seja, alguém que sofre de delírios de grandeza, perdeu a habilidade de demonstrar empatia, esqueceu as normas sociais e tornou-se excessivamente autocentrada?

Willy Wonka, da Fábrica de Chocolates, tem Transtorno de Personalidade Esquizotípica. Seu comportamente excêntrico vive trazendo problemas à sua vida pessoal. Vai trabalhar, invariavelmente, vestindo roupas que chamam a atenção de todos. Na verdade, ele está mais para um mestre-de-cerimônias de circo do que propriamente para um diretor de empresa. Mas também, convenhamos, cartola preta e fraque púrpura são um pouco exuberante demais... A autora, como sempre, quer saber se o leitor conhece alguém parecido. No caso, com uma personalidade esquizotípica. Esse alguém parece paranóico, se expressa de modo estranho e se veste de maneira excêntrica?

As patologias na Terra do Nunca também merecem um capítulo à parte. Peter Pan, todos sabem, não quer crescer. Daí, dizer-se que um adulto quando se comporta de maneira infantil, tem Complexo de Peter Pan. Mas Laura James vai mais longe o garoto inglês que gosta de voar é um narcisista patológico, com traços de personalidade dependente e autodestrutivos. Indivíduos que apresentam traços narcisistas , analisa ela, são geralmente muito vulneráveis. Apesar de parecer um tanto arrogantes, eles podem estar vivenciando uma baixa-estima e podem ser muito sensíveis a críticas reais ou imaginárias. Você, leitor, conhece algum Peter Pan?

No País das Maravilhas, Alice é a única que não apresenta nenhum transtorno. Em compensação, a Lebre e o Chapeleiro Maluco são dois casos patológicos em um só possuem Transtorno Psicótico Compartilhado. Quanto aos outros personagens, a autora entrega Há fortes evidências de abuso de drogas em todo o País das Maravilhas. A Centopéia fuma narguilé e come cogumelos que alteram seu estado de consciência... A permanente animação do Coelho Branco indica claramente um transtorno de ansiedade.

Cinderela tem necessidade de Aprovação Social e enfrenta problemas com sapatos. Branca de Neve está acima de qualquer suspeita mas a sua madrasta tem um acentuado Transtorno de Personalidade Limítrofe. O coelhinho Peter Rabbit? Causa problemas para todos os que estão à sua volta por causa de seu TDO (Transtorno Desafiador Opositivo). A Bela é co-dependente da Fera. Cruella de Vil : o próprio nome revela sua natureza má. Ao ver um cachorrinho Dálmata pela primeira vez, sussurrou embevecida para si mesma que ele daria um belíssimo casaco de pele. Já o Lobo Mau não segue regras, não tolera aborrecimentos, sempre age de forma desastrada e tem tendências para soprar casas de palha e devorar as avós dos outros. Sobre o seu histórico familiar, a autora suspeita que ele, pelo seu distúrbio extremado, é capaz de ter experimentando maus-tratos ou traumas mais acentuados na infância.

Aqui pra nós criança que costuma ler histórias desse tipo pode crescer saudável? Os irmãos Grimm que respondam.