Jornal do Brasil

Cultura

Marcos Palmeira diz que 'A Dona do Pedaço' é sobre uma mulher que não precisa de homem

Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Par da protagonista em "A Dona do Pedaço", que estreia na próxima segunda-feira (20) na Globo, Marcos Palmeira, 55, diz que sabe qual é o lugar do homem. "Esse é o momento das mulheres. Elas são as donas do pedaço mesmo, e a gente [homem] tem que cobrir pelas beiradas."

Na nova trama ele é Amadeu, um jovem que se apaixona por Maria da Paz, uma moça da família rival à sua. Separados após um acontecimento trágico, ele vai para São Paulo e se torna advogado, e ela começa a vender bolos, até se tornar dona de uma confeitaria de sucesso.

"É uma história de uma mulher que não precisa de homem para viver e para ser feliz", avalia o ator. "Mas ao mesmo tempo, tem a possibilidade de encontrar um grande homem, maduro, Marcos Palmeira", brinca.

A atriz que interpreta o par de Palmeira é ninguém menos que Juliana Paes, a quem o ator não poupa elogios. "Acho que a gente tem uma química bem legal. Juliana é uma parceirassa, é uma atriz muito parecida comigo. [...] Queremos que sejam dez meses de muito prazer."

Palmeira integra o elenco da novela após participar de "Velho Chico" (Globo, 2016) e de fazer trabalhos na HBO, Multishow e no cinema. "Estou me sentindo muito bem, com energia para fazer as coisas, mais experiente. Estou no melhor que a vida poderia me oferecer", avalia.

Para manter a energia, o segredo nada mais é do que comer apenas produtos orgânicos e praticar atividades como futebol, tênis e pilates. Apesar de enxergar a vida pelo lado positivo, ele lamenta que, no campo artístico, os políticos não deem a devida atenção à cultura.

"De alguma maneira, eles não enxergam a cultura como uma forma de transformação social, o que é uma pena. O Brasil tem uma potência cultural enorme, com expressão internacional na música, na dança e no cinema. [...] Os políticos podem gritar, mas felizmente a cultura resiste. Não tem como lutar contra a cultura. São muitos anos de um ministério com muito pouco recurso para fazer, e ao mesmo tempo a gente faz milagres. Acredito que continuaremos fazendo esses milagres e cultura."

O presidente Jair Bolsonaro extinguiu o Ministério da Cultura (MinC) após assumir o governo. Criado em 1985, como símbolo da redemocratização e sinal de que o país iria exorcizar o fantasma da perseguição a artistas e intelectuais, o MinC foi extinto em 1990 por Collor, recriado em 1992, extinto por alguns dias em 2016, após o impeachment, e agora novamente desaparece.

NOVELA COM A EX

Com o novo papel, Marcos Palmeira trabalhará com a ex-mulher Amora Mautner, 43, na TV após 10 anos. Ela é diretora artística de "A Dona do Pedaço". Os dois foram casados de 2005 a 2012 e tiveram uma filha, Júlia, 11, que segundo Palmeira está "felicíssima de ver o pai e a mãe trabalhando juntos".

Amora dirigiu Marcos em trabalhos como "Salsa e Merengue" (1996-97), "Andando nas Nuvens" (1999), "Desejos de Mulher" (2002), "Celebridade" (2003-04), "Três Irmãs" (2008) e "Cama de Gato" (2009). "Para nós também é o recomeço de uma nova história, tem sido muito legal para mim poder ser o protagonista da Amora, uma novela importante para ela também", disse o ator.

A criação da filha, segundo ele, tem sido bastante livre. Palmeira diz que procura dar oportunidade para ela "ser quem ela quiser ser", e que se preocupa em valorizar a autoestima da jovem, para que ela tenha segurança na vida. "Quero que a minha filha seja só aquela que respeita as pessoas, que tenha um mínimo de senso ético e de caráter. O resto é opção dela."

BEATRIZ VILANOVA