Jornal do Brasil

Cultura

Catedral de Notre-Dame ficou famosa por livro de Victor Hugo e filme da Disney

Enredo se passa em 1482, no fim da Idade Média, e conta a história de Quasímodo, corcunda que vive recluso na catedral, por sofrer preconceito devido à sua aparência física

Jornal do Brasil RAFAEL BALAGO

Inaugurada no século 12, a catedral de Notre-Dame, em Paris, ficou conhecida no mundo todo por causa de um livro. "Notre-Dame de Paris" foi publicado em 1831, por Victor Hugo. O enredo se passa em 1482, no fim da Idade Média, e conta a história de Quasímodo, corcunda que vive recluso na catedral, por sofrer preconceito devido à sua aparência física. Ele se apaixona pela bela cigana Esmeralda, que também desperta o interesse do arcebispo Frollo, o que dá início a uma trágica disputa entre os dois.
O topo da catedral pegou fogo nesta segunda-feira (15). Ainda não se sabe o que causou o incêndio.
Quando o livro foi publicado, a catedral estava degradada. No século 19, ela já somava mais de 600 anos, mas recebia poucos cuidados.

O interesse sobre o prédio despertado pela obra levou a uma campanha por sua restauração, que começou em 1844.
Uma das interpretações para o livro é que o corcunda, com sua aparência disforme e bom coração, é uma metáfora do que a própria catedral era naquele momento.
O livro de Victor Hugo deu origem a vários filmes ao longo do século 20, incluindo um curta, em 1911, e longas-metragens, em 1923, 1956 e 1976, segundo o site IMDb.


A versão cinematográfica de maior sucesso veio em 1996, feita pela Disney. A animação "O Corcunda de Notre-Dame" arrecadou US$ 325 milhões no mundo todo. O filme teve uma sequência em 2002, feita para a TV.
Em janeiro de 2019, foi revelado que a Disney tem planos de fazer uma nova versão do filme, agora com atores reais e em uma produção de estilo musical. A data de lançamento não foi informada.
Em 1998, um espetáculo musical sobre a história foi lançado em Paris, numa produção que passou por diversos países e que atualmente realiza uma turnê para celebrar 20 anos em cartaz.
A história de Quasímodo foi a base para uma ópera, de Franz Schmidt, lançada em 1914, e também aparece em videogames, como no jogo de aventura "Assassin's Creed - Unity", de 2014.