Jornal do Brasil

Cultura

Amigos e familiares homenageiam Domingos de Oliveira

Corpo de diretor foi velado no Teatro Municipal Maria Machado, no Planetário da Gávea

Jornal do Brasil

Amigos e familiares prestaram homenagens ao ator e diretor Domingos de Oliveira, que morreu no sábado (23) após passar mal em casa. O corpo foi velado no Teatro Municipal Maria Machado, no Planetário da Gávea, Zona Sul do Rio. No início da tarde deste domingo, o corpo foi enterrado no Cemitério São João Batista, em Botafogo. O ator e diretor estava com 82 anos.

A filha do diretor, Maria Mariana, afirmou que o que fica para ela é a prova de que o pai tinha um espírito muito grandioso, “porque teve o merecimento de morrer em paz, cercado da esposa que ele amava, da neta que ele amava. Ele desmaiou e foi”. Ela revelou que o pai deixou para a família uma carta, escrita há 20 anos e que foi lida ontem (23), na qual recomendava que os parentes mais chegados fossem se preparando para viver sem ele. “Dizendo que ele estava preparado para partir. Realmente, tem a dor de não poder ter ele presente. Mas uma alegria também de ele ter partido como queria”, afirmou Maria Mariana.

Velório

Emocionada, ela lembrou que o velório de Domingos Oliveira, no Planetário da Gávea, onde trabalhou durante muitos anos, foi uma festa muito bonita, onde se cantaram músicas de seus filmes e foram declamadas poesias, como ele admirava nos filmes estrangeiros.

“Ele sempre falava: o meu tem que ser assim. Velório Felliniano (numa referência ao cineasta italiano Federico Fellini). E foi (um velório) estilo Domingos de Oliveira”, concluiu a atriz, diretora e escritora.

A atriz Betty Goffman lamentou não ter trabalhado com Domingos Oliveira. “Mas é um mestre. Todos nós somos admiradores, não só da obra, da inteligência, mas da energia boa, de ser uma pessoa boa, cheia de qualidade como ser humano, generoso. Infelizmente, não tive o privilégio de estar tão perto, mas vim aqui dar um tchau, porque era um cara muito importante para todos nós”, opinou.

Nas redes sociais, atrizes como Fabiula Nascimento e Angela Leal lamentaram a morte do diretor. “Nossos corações estão partidos”, disse Fabiula. “A obra e a lembrança desse cidadão impecável ficarão para sempre”, externou Angela Leal.

Trajetória

Macaque in the trees
Domingos de Oliveira (Foto: TV Brasil)

Domingos nasceu no Rio de Janeiro, em 28 de setembro de 1936. Formou-se em Engenharia Elétrica na Escola Nacional de Engenharia (ENE), mas nunca exerceu a profissão. Sua primeira peça "Somos Todos do Jardim de Infância", foi montada na década de 1960, e também lançou Leila Diniz, sua esposa na época. Antes de despontar como diretor e roteirista, com o filme "Todas as Mulheres do Mundo", de 1966, trabalhou como assistente de direção do cineasta Joaquim Pedro de Andrade.

Domingos dirigiu mais de 18 filmes, tendo sido roteirista da maioria deles. Nos últimos projetos, também atuou como diretor.

Com a filha caçula, a atriz e escritora Maria Mariana criou, na década de 90, a série Confissões de Adolescente. Baseada nos diários da atriz, o projeto teve versões para o cinema, teatro e televisão. Quase todos carregam a marca de Oliveira, que ficou conhecido como um importante cronista do universo feminino e das relações amorosas da atualidade.

Mesmo sofrendo de Mal de Parkinson, Oliveira permaneceu trabalhando até o fim. Em entrevista à Globonews, o colunista Artur Xexéo revelou que ele trabalhava no roteiro do projeto Confissões das Mulheres de 50. Ainda não há informações sobre a causa da morte do diretor.