Jornal do Brasil

Cultura

Clássicos da Tropicália em formato original

Dois discos do tropicalismo acabam de ser relançados em edições comemorativas em vinil

Jornal do Brasil

Dois discos fundamentais do tropicalismo acabam de ser relançados em edições comemorativas no seu formato original de vinil. Gilberto Gil e Caetano Veloso, ambos de 1968, formam com Tropicalia ou Panis et Circencis uma espécie de manifesto da fase heroica do movimento artístico de vanguarda surgido no final dos anos 1960 e que até hoje exerce forte influência sobre a produção cultural brasileira.

Os dois "cinquentões" voltam repaginados, especialmente o álbum de Gil, em reprensagem da Gegê Produções Artísticas feita para a Revista Noize. Juntos, esses álbuns figuram nas principais listas de discos essenciais da música brasileira.

No final dos anos 1960, o ataque tropicalista no mercado fonográfico tem início quando André Midani assume a direção da Philips. O executivo acreditava que o núcleo baiano representava a novidade da música brasileira, com potencial de vendas. Interessado em conectar o som nacional ao que se fazia lá fora, o produtor Manoel Barenbein coordenou a produção de todos os álbuns do movimento, gravados em São Paulo. O primeiro álbum solo de Caetano (antes, ele havia gravado um compacto na RCA e dividiu Domingo com Gal) incorpora toda a estética da Tropicália, da capa psicodélica ao repertório.

Macaque in the trees
Tropicália (Foto: Reprodução)

Depois de estrear em LP com Louvação, com instrumentação tradicional, Gilberto Gil passa a andar lado a lado com os Mutantes no disco que lançou em 1968. Além da sonoridade arrojada, ele investiu em crônicas de costumes da época.

Em vinil amarelo, o disco chega acompanhado de um luxuoso encarte com as letras das dez canções e uma foto exclusiva do cantor e compositor usando um fardão como na capa original de 1968. Um objeto artístico por si só, o disco fica ainda melhor quando começa a rodar na ponta da agulha e surgem canções como Frevo Rasgado, Procissão, Marginália 2 e Domingo no Parque, todas emblemáticas do movimento e da carreira do cantor e compositor baiano. Talvez a obra seja a melhor síntese do ideal tropicalista de unir as tradições rurais brasileiras ao universo urbano, de juntar o acústico ao amplificado, o violão à guitarra elétrica. O aspecto intrigante do relançamento é que o disco soa ainda muito atual e, portanto, está distante de ser apenas um item de colecionador numa discoteca de MPB que se preze.

A má notícia é que o relançamento foi apenas para os sócios do clube Noize Records, no entanto, para além do aspecto simbólico dele, ainda é possível encontrar alguns exemplares disponíveis em sebos e sites especializados. O preço é bem salgado: algo em torno de R$ 300. Mais em conta é o relançamento recente, também em vinil (de 180 gramas), de Refavela, o não menos mítico nem menos histórico álbum de 1977, pelo selo Polysom. Ele está custando entre R$ 100 e R$ 120 nas melhores lojas virtuais do ramo.

Caetano. O relançamento de Caetano Veloso ocorre pelo selo norte-americano Third Man Records, de Jack White, do grupo The White Stripes. Nada mais nada menos do que Alegria, Alegria e Tropicália estão nesse álbum. O disco foi gravado ao lado da banda Beat Boys, que o acompanhou no festival da Record de 1967. É o álbum também de Superbacana e Soy Loco por ti América. Para os interessados, é possível adquirir esse joia no site da loja da gravadora: thirdmanstore.com. A partir de agora, levando-se em conta que os essenciais de Gal Gosta e dos Mutantes do período já foram relançados, só resta torcer para a volta ao mercado em vinil de Tropicália.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.