Casal percorre cidades brasileiras filmando videoclipes de orçamento zero para o projeto 'Videoclipers'

"Nas asas de um passarinho/Avistei velhos telhados/Uma janela entreaberta/De um conhecido sobrado". É com a canção "Nas asas de um passarinho" (Dom Tronxo), interpretada por Alceu Valença, que estreia hoje o projeto "Videoclipers". Os filmmakers Diana Boccara e Leo Longo, conhecidos como Couple of Things, percorreram no ano passado as cidades de Recife, Belém, Goiânia, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e São Paulo e gravaram videoclipes de 16 artistas. Só que com uma singularidade: orçamento zero.

A estreia acontece no canal do Youtube da Couple of Things que, semanalmente, vai colocar no ar um making of e um novo videolipe respectivamente às segundas e quartas. Na próxima semana é a vez de "Cavalo marinho", do cantor Barro, também filmado no Recife. Os próximos serão com Dona Onete, Felipe Cordeiro, Carne Doce, Bruna Mendez, Young Lights, Sara Não Tem Nome, Renascentes, Dingo Bells, Tuyo, Mulamba, Filipe Catto, Ternorei, Phill Veras e Abacaxepa. Diana e Leo já estão em negociação com canais fechados para a exibição da série.

Todos os videoclipes foram feitos em plano-sequência e são de músicas inéditas de discos atuais ou que serão lançados em breve pelos artistas. A única exceção foi justamente Alceu, que escolheu uma canção do disco "De janeiro a janeiro" (2005), mas que nunca teve videoclipe. "Quando pensamos em ir para o Recife, o primeiro artista que veio à cabeça foi Alceu. Nem achamos que ele iria nos responder e não foi ele que foi o primeiro a nos dar retorno? Isso foi um choque de auto-estima pra nós!", conta Diana.

Por cada cidade que passaram, Diana e Leo contaram com colaboradores locais. Para filmar com Alceu, eles tiveram a ajuda de dois profissionais da equipe de produção do artista, amigos e dos filmmakers independentes do Lumos Estúdio. "Convidamos, por exemplo, o Gildson Mendes, irmão do jornalista e escritor Gil, que é nosso amigo em São Paulo. Ele mora na cidade e tem o Lumos Estúdio, que fez as fotos do making of. No dia da filmagem, ele segurou até rebatedor!", conta Diana. "Como acumulamos funções, temos uma dinâmica com a qual estamos bem acostumados. Primeiro, percorremos o caminho ou estudamos a locação, pensando no enquadramento. Depois, vamos com o artista sem câmera e, no terceiro momento, com a câmera", explica Leo.

'Voando' pelas ladeiras de Olinda

O making of da primeira filmagem do projeto "Videoclipers" traz trechos da conversa de Diana e Leo com Alceu Valença, que diz que um videoclipe de "Nas asas de um passarinho" só poderia mesmo ser feito em Olinda. "Vamos dar a ideia de estar viajando em cima de um passarinho, descendo a Ladeira da Sé", sugeriu o pernambucano. "Nós logo percebemos que ele e Olinda tinham que ser os protagonistas. Fizemos um ensaio inicial em que eu disse 'Alceu, vamos ver qual a velocidade você anda para harmonizarmos tudo'. Ele respondeu ' fica tranquilo porque eu sei o ritmo da música'. O primeiro take saiu ótimo, mas ele sugeriu fazermos um segundo, com um enquadramento mais fechado nele para tirar os aspectos urbanos, carros e tal. Aí, sim, ficou perfeito", lembra Leo.

O casal filmou videoclipes de dois artistas em cada cidade, à exceção de São Paulo, que foram quatro. No Recife, o segundo videoclipe foi do cantor e guitarrista Barro. "Fizemos 'Cavalo marinho', faixa de 'Somos', seu segundo álbum. Convidamos um grupo da dança tradicional para fazer uma coreografia numa das ruas do Centro Histórico", conta Leo.

No Pará, o casal tem uma história incrível sobre o videoclipe de uma música inédita de Dona Onete, que estará no seu próximo disco. "A primeira coisa que pensamos foi que teríamos de imortalizar a história dessa mulher. Aí, brincando com o nome dela, chegamos à ideia de usar uma marionete. Procuramos por toda a cidade e, pouco antes de filmar, encontramos um artesão especializado em bonecos. Foi aí que ele tirou de uma gaveta um que estava guardado há tempos: era uma marionete da Dona Onete, que ele havia feito em sua homenagem há cinco anos, que sorte!", conta Diana, comentando que a filmagem foi ótima, pois conseguiram teatro, cenário, maquiador e uma equipe de 30 pessoas.

Uma equipe maior ainda foi mobilizada em Porto Alegre para a filmagem com a banda Dingo Bells. "O espírito de colaboração falou alto, tivemos 70 pessoas na equipe! Queríamos filmar, por exemplo, numa vila cultural, porém trabalha com o espaço alugado. Propusemos dar uma palestra em troca e eles aceitaram. Tudo deu certo", diz Leo, satisfeito.

Essa viagem colaborativa proporcionou diferentes experiências e aprendizados para o casal, que está junto há seis anos. Em Curitiba, filmaram com a banda Tuyo numa proposta totalmente diferente e minimalista. "Eles estão crescendo e ficando conhecidos rapidamente. Até pensamos que não topariam nossa proposta. Como é uma música profunda e reflexiva, queríamos dar um clima mais contemplativo. Então, fomos apenas eu e Diana com os três integrantes para uma praia deserta. Sempre levamos em conta que um set ajuda a história a ser contada", ressalta Leo.

Além de veicular no Youtube e, futuramente, licenciar para algum canal fechado, os videoclipes também são divulgados pelos próprios artistas. "Todos os clipes são oficiais dos artistas ao mesmo tempo que são de nosso projeto. Então, juntamos forças", diz Diana, animada.

O casal segue o ano com planos de manter a série no ar e tentar comercializá-la com algum canal fechado. E, para o segundo semestre, a ideia é produzir uma nova série e também aprontar e tentar viabilizar outra que está guardada, chamada "Lifeness Generation": "Ano passado visitamos 35 cidades em nove países da América Latina, entrevistando pessoas que, antes dos 40 anos, tiveram uma grande ruptura em suas vidas. Temos 60 entrevistas e acho que é um material que tem potencial para espalhar uma mensagem positiva", diz Leo. O tema, aliás, é muito próximo a eles. Afinal, mudaram radicalmente de vida em 2014. Largaram os empregos, venderam tudo que tinham em São Paulo e foram para a estrada fazer o primeiro projeto, a série "A volta ao mundo em 80 videoclipes", exibida nos canais Bis e Multishow. "Ainda bem que decidimos por isso, que nos permitiu viver de projetos autorais", afirmam satisfeitos Diana e Leo.