Camisa branca renovada

Atemporal, sem idade, em todas as faixas de preços: a tal da camisa branca não só mantém suas qualidades originais como ousa novas formas e outras proporções. Se estes atributos não convencem as adeptas da moda a trocarem os bodies e tops pela peça tirada do guarda-roupa masculino por Chanel nos anos 1920, recorre-se ao aval de gente consagrada como elegante.

De todos os jeitos

Lenny Niemeyer, famosa pela marca de maiôs considerados de luxo, fora da praia e dos iates não abre mão da dupla camisa branca e calça preta. "Sempre amei camisa branca, para qualquer ocasião, e em todas as minhas coleções, sempre foi minha peça preferida! Largas, justas, longas, curtas, de algodão, seda, para a praia, para a festa. Super prática, atemporal e combina com tudo!" proclama Lenny, que já criou uma série de blusas brancas para a C&A.

Direto do ateliê

Tão requintadas, com tantos detalhes femininos (babados, laços, rendas), que as blusas brancas da Liz Machado enfrentam até eventos de gala. Ela própria adota, com saias pregueadas longas ou pantalonas em preto e branco. No dia a dia, a ex-modelo e estilista é vista circulando na Rua Dias Ferreira, onde fica seu ateliê, de camisa branca solta sobre legging preto.

Um luxo internacional

A brasileira Anne Fontaine casou com o francês Ari Fontaine e foi morar em Paris. No sótão da casa achou um baú cheio de blusas brancas lindas, da avó do marido. Em 1993 Anne lançou a marca com seu nome, dedicada às blusas e camisas brancas. Atualmente tem lojas em Paris, Toquio, Estados Unidos, vende pelo e-commerce e depois de lançar acessórios, celebrou 20 anos de trabalho com uma série de abotoaduras e uma coleção luxo, chamada Précieuse. O sucesso da estilista foi reconhecida com a condecoração francesa do mérito, equivalente ao status de cavaleira. Anne também lançou blusas pela C&A brasileira. Foi uma corrida de consumidoras ávidas, principalmente as que sabiam que uma blusa Anne Fontaine original custa em torno dos R$ 600.

Moderninhas, mas brancas

Nas marcas dos novos designers, a blusa ou a camisa branca tomam formas diferentes. Na Naai, somem o colarinho ou a gola, aparece um decote V, mas há um punho estilizado nas mangas superlongas. Aliás, toda a peça segue longa com uma fenda lateral.

Na Feranda, o uso é quase clássico, não fosse a calça jeans cortada como shorts rasgadinho, acompanhando a camisa básica.

Também na Augustana o look inclui o short e tênis da Vert, mais a bolsinha atravessada. Quanto à camisa, tem o jeito clássico contrastando com grandes punhos abertos, que arrematam as mangas estreitas.