RC mantém o seu reinado

Confira crítica do show do Roberto Carlos

Milhares de fãs lotaram o Maracanãzinho na noite de sábado para o aguardado show de fim de ano do “rei” Roberto Carlos. A noite com ingressos esgotados - que custavam entre R$ 70 e R$ 750 - reunia mulheres de todas as idades, vestidas de azul, branco ou brilhando nos paetês e salto alto. Em clima de festa e muito excitadas, elas chegavam em grupos para a prometida noite de música romântica. Algumas, com estampas de oncinhas, destoavam da maioria.

Enquanto o show não começava, o público aproveitou para tirar todas as selfies possíveis para registrar suas presenças no ginásio. Muitos maridos e filhos tiveram de bancar os fotógrafos para clicar todas as mulheres da família, da avó à neta. Os dois sósias de Roberto também foram muito assediados para posar ao lado das fãs do rei.

Macaque in the trees
O show de luzes, a competência da banda sob a direção de Eduardo Lages e o carisma de Roberto Carlos asseguraram o sucesso da noite romântica no Maracanãzinho (Foto: José Peres)

Da Zona Norte, cerca de cem pessoas chegaram ao Maracanãzinho em ônibus alugados, usando camisetas exclusivas, onde se via a imagem do artista com a hashtag #EuFui. Elas vinham das Penha, Brás de Pina, Olaria e Cordovil.

Qualquer ruído da produção, fosse a chamada do navio para 2019 (com lotação esgotada) ou uma gravação qualquer com a voz do cantor, agitava o ansioso público. Às 20h15, o esplêndido jogo de luzes começou e a banda de 14 instrumentistas, sob a regência de Eduardo Lages, atacou com “Como é grande o meu amor por você” e “É preciso sabe viver”. Aos primeiros acordes de “Emoções”, uma intensa gritaria anunciava a entrada do artista no palco. Em seguida, Roberto Carlos interpretou um de seus maiores sucessos, “Como vai você” (1972), de Antônio Marcos e Mário Marcos. A plateia, emocionada, cantava junto.

Macaque in the trees
O artista emocionou o público com antigos sucessos (Foto: José Peres)

Dali até o final do show, com duas horas e 15 minutos de duração, o público manteve os braços erguidos com seus celulares, para filmar cada momento da apresentação, em que o artista fez seguidas reverências à figura da mulher, arrancando suspiros.

Embaladas em novos arranjos, músicas marcantes da carreira foram passadas em revista, desde a Jovem Guarda, como “O calhambeque”, “Quero que vá tudo para o inferno” e “Se você pensa”, aos tempos mais românticos _ “Outra vez”, “Sua estupidez”, “Desabafo” e “Olha”, que foi regravada por Erasmo Carlos e Chico Buarque, até as mais recentes.

Roberto homenageou a autora Glória Perez, cantando “Sereia”, apoiado pelas imagens da atriz Isis Valverde nos telões Naturalmente, não podiam faltar as composições com temática religiosa, que vieram depois de “Lady Laura”. Com centenas de fãs a seus pés ao final do show, Roberto Carlos distribuiu as rosas vermelhas e brancas, beijando e as entregando de mão em mão. Aclamado, deixou bem claro que continua sendo o maior artista popular do Brasil. E deu bis no domingo, engarrafando novamente o entorno do Maracanã.



O show de luzes, a competência da banda sob a direção de Eduardo Lages e o carisma de Roberto Carlos asseguraram o sucesso da noite romântica no Maracanãzinho
O artista emocionou o público com antigos sucessos