Jornal do Brasil

Cultura

'O Lago dos Cisnes' com convidados e aprendizes em SP

Jornal do Brasil

Bailarinos de diferentes partes do mundo se juntam aos 32 integrantes da São Paulo Companhia de Dança (SPCD) na comemoração dos 10 anos da escola para apresentar a partir desta quarta-feira, 14, no Teatro Sérgio Cardoso o balé clássico mais aclamado da história: o Lago dos Cisnes. A obra, que estreou em 1877 no Teatro Bolshoi, é dançada por diversas companhias de dança desde o fim do século 19.

Agora, a São Paulo Companhia de Dança traz ao público a íntegra do balé com a música composta por Tchaikovsky. "A companhia foi criada para ser clássica e contemporânea. E agora estamos com o clássico dos clássicos. Estamos num momento especial e com um balé que encanta o mundo todo há muitas gerações", explica a diretora artística Inês Bogéa.

Para Inês, "toda história é viva no corpo" e o balé permite vivenciar isso. "É uma arte que acontece plenamente na cena, não é igual a você assistir a um vídeo. A relação da plateia com os artistas se dá no espetáculo e a tradição tem que ser viva, para que as gerações possam vivenciar, aprender e curtir seu passado no presente, dando ainda chances para que o futuro e a contemporaneidade sejam reconhecidos e possam ser vivenciados também."

O casal que protagoniza o Lago dos Cines, príncipe Siegfried e Odete, será interpretado por mais de um casal de bailarinos. Lucas Lima, solista do Balé Nacional da Noruega, e Luiza Lopes, a primeira solista no Royal Swedish Ballet, de Estocolmo, formam um desses casais. O outro é formado por Emmanuel Vazquez, solista do Balé de Santiago e dirigido por Márcia Haydée, ao lado de Thamiris Prata, bailarina da SPCD.

Geivison Moreira e Luciana Davi, André Grippi e Paula Alves, também bailarinos da SPCD, são os outros dois casais que protagonizarão o Lago dos Cisnes.

Inês lembra que é normal as companhias trazerem bailarinos convidados para dançarem balés, mas cita "algo especial" nos convidados para o Lago dos Cisnes. "São bailarinos que fizeram parte da história da companhia e a possibilidade de trazer para o Brasil artistas que fazem sua carreira lá fora". Luiza e Emmanuel, por exemplo, foram bailarinos da companhia. "É uma maneira de comemorar a dança e mostrar ao público brasileiro esses artistas que estão fora do País", completa a diretora artística.

A coreografia da obra que fica em cartaz até dezembro é de Mario Galizzi, um especialista em balés clássicos, que já trabalhou com a companhia antes. Dessa vez, a coreografia dialoga com a tradição e se renova nas relações dos personagens, nos desenhos das cenas, em sintonia com a música emblemática de Tchaikovsky. Inês explica que os quatro atos da obra serão apresentados, "o que possibilita contar a obra de uma forma mais emocionante" e possibilitando mudanças visuais no palco já que o público vai presenciar uma troca de cenário.

Além dos convidados internacionais, farão parte desse balé jovens do programa Fábricas de Cultura da Organização Social Catavento Cultural e Educacional. Eles vão interpretar os nobres da corte, soldados e trompeteiros. "É a possibilidade de um intercâmbio, para o jovem bailarino também poder acompanhar a rotina de uma grande companhia e ver se quer seguir esse caminho", afirma Inês.

O LAGO DOS CISNES

Teatro Sérgio Cardoso. Rua Rui Barbosa, 153, tel. 3288-0136. 4ª, 5ª e sáb., 21h; 6ª, 21h30; dom., 18h. R$ 30/ R$ 50. Até 2/12.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.