Jornal do Brasil

Cultura

O caminho para se tornar ator de musical

Jornal do Brasil

É possível dizer que tudo começou em 1997, quando ele viajou a Londres e assistiu a sete musicais em apenas quatro dias. "Não conheci o Big Ben, nem o Parlamento", conta Saulo Vasconcelos, que voltou transformado, já seguro do que faria na vida. Hoje, é um dos principais atores de musical do Brasil, cuja trajetória se confunde com a nova fase do gênero no País, iniciada nos anos 2000. É o que ele relembra em Por Trás das Máscaras (Chiado Books), sua biografia que será lançada na Livraria Cultura do Conjunto Nacional na noite de terça-feira, 16, com direito a um pocket show.

Aos 45 anos, Saulo Vasconcelos ostenta um currículo que seria invejável até mesmo na Broadway, com participações em Les Misérables, A Bela e a Fera, O Fantasma da Ópera, Cats, Mamma Mia!, A Noviça Rebelde e O Homem de La Mancha, para ficar apenas nos grandes clássicos. Fruto de uma feliz combinação de talento e dedicação, Saulo só venceu depois de tentar várias profissões (trabalhou como bancário, vendeu e comprou videogames usados, além de ter cursado a faculdade de química e a de economia), quando descobriu a força de sua voz ao participar do Coro Sinfônico Comunitário da Universidade de Brasília, onde estudava.

Quando voltou de Londres, participou de musicais amadores em Brasília, onde nasceu, e passou a estudar canto com Sandro Christopher (hoje, ator renomado, está no atual elenco de O Fantasma da Ópera). "Ao acompanhar Sandro na montagem de uma ópera no Teatro Alfa ('Don Giovanni', de Mozart), em São Paulo, a jornada que me levaria ao mundo profissional dos musicais começou."

Era 1999, quando, depois de ter testes para diversos musicais, participou da seleção para a montagem paulistana do musical Rent. "Voltei desanimado para casa e, no exato momento em que decidi terminar o curso de economia, o telefone tocou." Do outro lado da linha, uma voz mexicana o convidava para interpretar o papel principal de O Fantasma da Ópera em seu país. Era um dos membros da banca de seleção, que também procurava o protagonista para essa montagem.

Vasconcelos não teve nem tempo para lamentar a reprovação para Rent: três meses depois, mudou para a Cidade do México onde se tornou o mais jovem Fantasma da história, aos 25 anos. E, quando foi protagonista da montagem brasileira, em 2005, conquistando outra a marca: a de segundo ator no mundo a interpretar o Fantasma em duas línguas (o primeiro foi Italo Freeman, que atuou nos EUA e na Alemanha). E, somando as interpretações no México e no Brasil, Saulo ultrapassou a marca das mil apresentações do Fantasma.

Pode-se imaginar que o título da biografia foi inspirado no artifício que ele usou como Fantasma, objeto que se tornou ícone na história dos musicais da Broadway. Mas vai além disso: "Cada personagem representa uma máscara. Eu me coloco na pele de outra pessoa, outra personalidade.

Por isso, o título do livro usa 'máscaras', no plural - foram muitas máscaras, muitas camadas, muitas histórias, alegrias e aventuras", comenta Vasconcelos. "Há também a máscara que diferencia a personagem do homem, ou até mesmo a máscara que coloco quando me posiciono como figura pública. É uma grade metáfora."

O ator, que é 'baritenor' (cantor capaz de alcançar notas agudas e graves), sedimentou, ao longo dos anos, amizades que prometem perdurar, como Sara Sarres e Kiara Sasso, que se revezavam como seu par em Fantasma; Marcos Tumura, talentoso ator precocemente morto; Cleto Bacic, com quem dividiu o palco (em La Mancha) e a administração do curso de teatro musical criado no Sesi-SP. Saulo Vasconcelos vê seu livro como as memórias de alguém que viveu o improvável. "Estive no lugar certo, na hora certa, na época certa, quando, em 1999, estava em São Paulo."

POR TRÁS DAS MÁSCARAS

Autor: Saulo Vasconcelos

Ed.: Chiado (168 págs., R$ 39)

Lançamento Liv. Cultura. Conj. Nacional. Av. Paulista, 2.073. 16/10. 19h

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 



Recomendadas para você