Jornal do Brasil

Cultura

Jovem Guarda do piano clássico

Aos 19 e 22 anos, italiano e russa interpretam todas as composições de Brahms e Rachmaninoff para solo do instrumento, em cinco noites

Jornal do Brasil JOÃO PEQUENO, joao.pequeno@jb.com.br

Eles vão precisar de cinco noites para tocar todo o repertório. São 27 peças que somam todas as composições para piano solo de Johannes Brahms (1833-1897) e de Sergei Rachmaninoff (1873-1943), nas quatro mãos de dois jovens pianistas, escolhidos pelo diretor da Sala Cecília Meireles, Miguel Proença, que os assistiu no Concurso Internacional de Piano Jaén, na Espanha, em abril.

“Achei uma barbaridade terem eliminado dois talentos desse nível e os convidei para virem tocar aqui no Rio”, conta o também pianista Miguel, que tem promovido diversas apresentações de jovens concertistas na Sala. “‘O que vocês tocam?’, perguntei. Ela tocava tudo do Rachmaninoff. Ele, com 19 anos, toca tudo de Brahms”.

Miguel Proença refere-se ao italiano Emanuele Vito de Caria, 19, e à russa Elina Sarkisian, 22 – cujo nome, conforme as nuances de seu idioma, às vezes se escreve Elishia, como em seu perfil no Instagram. Eles começam hoje e vão até quinta-feira na Sala Cecília Meireles com a programação dedicada aos dois compositores, sempre com ele se apresentando às 18h e ela às 20h.

Macaque in the trees
Elina queria ser violinista, mas a mãe, pianista, insistiu para ela aprender o mesmo instrumento (Foto: Divulgação)

Ambos começaram a aprender piano com apenas três anos de idade, em casa ou na escola e, depois de se destacarem em conservatórios, somam experiência no circuito internacional de piano clássico.

Vencedora de primeiros prêmios nos concursos internacionais de piano Sidelnikov, Maria Yudina e Safonov, entre outras, Elina atua como solista desde os 9 anos, quando se apresentou em turnê por Holanda, Polônia e Alemanha.

Na Lapa, ela vai apresentar os 11 solos de piano compostos pelo compatriota Rachmaninoff, pelo qual se apaixonou desde a infância, quando foi levada a um concerto pela mãe – também pianista.

“Eu quis me tornar violinista, mas minha mãe insistiu para que eu aprendesse o instrumento dela e começou a me ensinar em casa”, recorda Elina, que, posteriormente, passou pelo Conservatório de Moscou e estudou com Arie Vardi, Boris Petrushansky e Tatiana Zelikman – professora que mais a marcou.

“Desde que eu era criança, ouvia todos os CDs com gravações do Rachmaninoff e queria tocar todas as músicas dele. Agora, o Miguel Proença me deu a chance”, agradece a pianista, que sonha em ir adiante. “Ainda pretendo, também, aprender todos os concertos para e orquestra escritos por ele”, afirma a artista, que já vem tocando em outras apresentações no Brasil e, tendo praticado todo o vasto repertório em cinco meses, não se sente nervosa.

“Me sinto em casa no Brasil. Quando me apresento para esse público tudo parece mais simples simples, porque é um público tão bonito, uma atmosfera tão bonita”, elogia

Três anos mais jovem do que Elina Sarkisian, o pianista italiano Emanuele Vito de Caria admite que “foi um grande desafio proposto pelo Miguel Proença. Acabou saindo como um milagre estarmos aqui agora. Para mim, valeu como o primeiro prêmio [do concurso na Espanha]”.

Nascido em Gioia Tauro, na região de Reggio Calabria, Emanuele apresentará os 16 pianos solo escritos por Brahms, compositor que escolheu por sentir sua música “próxima, íntima” a ele. “Sinto as sombras das minhas características, da minha vida, na música dele”, descreve Emanuele, que começou seus estudos de piano em aulas de música na escola comum, passando depois pelo Conservatório Francesco Cilea, também em Reggio Calabria, e pela Academia Pianística Imola, dos quais exalta a influência de professores como Cinzia Dato e Riccardo Risaliti.

Ainda pré-adolescente, em 2011, venceu o o Concurso Internacional de Música Lucio Stefano D’Agata de Acireale, recebendo posteriormente outras premiações, como Benedetto Albanese, La Vallonea e um especial, o Giovanni Paisiello.

“‘Um ano atrás, havia tocado apenas uma peça de Brahms ao vivo, ‘Variações Opus 9 sobre um tema de Robert Schumann’. De fato, sempre tive um pequeno sonho, de tocar somente os últimos quatro Opus (Fantasia, Intermezzi e os Klavierstücke 118 e 119”, revela o italiano. “Acabei vindo tocar todos”, comemora.

SERVIÇO

RACHMANINOFF E BRAHMS – A OBRA INTEGRAL PARA PIANO SOLO: ELINA SARKISIAN E EMANUELE VITO DE CARIA - Sala Cecília Meireles (R. da Lapa, 47 - Centro; Tel.: 2332-9224. De hoje a quinta-feira: Emanuele Vito de Caria, às 18h; Elisa Sarkisian, às 20h

Entrada: R$ 40 e R$ 20



Recomendadas para você