Muppets desbocados e sem graça: confira crítica de 'Crimes em Happytime'

Numa Los Angeles onde bonecos convivem com humanos (sem uma explicação, como havia em Roger Rabbit), estes são alvo de preconceito da população. Logo, passam a ser alvos também de assassinatos. E Phil, um policial boneco (voz de Bill Baretta, produtor de vários filmes dos Muppets), descobre que todos os mortos faziam parte de famosa série de TV e estavam para receber uma fortuna em royalties.

Com algo de policial noir, duplas desajustadas (Phil é parceiro de policial humana, feita pela sempre exagerada, e sem graça, Melissa MacCarthy) e todos os clichês do gênero, este “The Happytimes murders” (dirigido por Brian Henson, herdeiro de Jim, criador dos Muppets), só difere por ter bonecos falando palavrões.

De resto, é flat em humor e ritmo. O que seria subversivo, ou diferente, é apenas tedioso. Parece que, só os manipuladores se divertiram. Como vemos nas cenas dos créditos finais.

*Jornalista

______________________________

CRIMES EM HAPPYTIME: o (Péssimo)

Cotações: o Péssimo; * Ruim; ** Regular; *** Bom; **** Muito Bom