Brasil perde para Bélgica e está fora da Copa do Mundo

Projeto hexa adiado. Mais uma vez. A seleção brasileira acabou prejudicada por um mau primeiro tempo e foi superada pela eficiência de Bélgica nesta sexta-feira, em Kazan. A derrota por 2 a 1 pelas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia encerra o sonho de título e acaba com a expectativa de uma população que, quatro anos depois da traumática goleada por 7 a 1 sofrida para a Alemanha, voltava a acreditar em uma conquista.

Se em 2014 o Brasil pagou por uma pane contra os alemães, desta vez foi punido por um primeiro tempo de falhas na marcação e contra-ataques perigosos. A badalada seleção belga fez um jogo inteligente e mostrou o quanto evoluiu desde a última Copa. A Bélgica, depois de 32 anos, está de volta à semifinal de uma Copa e em grande estilo, ao impor ao técnico Tite a primeira derrota em jogos oficiais.

>> Confira as chaves da segunda fase

A Bélgica ofereceu de uma vez só dificuldades jamais enfrentadas pela seleção na era Tite. Além de criar ao Brasil uma inédita desvantagem de dois gols no primeiro tempo, a equipe europeia conseguiu desfrutar de uma marcação enfraquecida pela ausência de Casemiro, suspenso. De Bruyne e Hazard tinham grande liberdade para armar jogadas, em especial contra-ataques. Nenhum adversário teve tanto espaço assim contra o Brasil nos últimos anos.

A Bélgica abriu o placar aos 13 minutos do primeiro tempo, com um gol contra de Fernandinho. Ainda na etapa inicial, a seleção belga ampliou o placar, com Kevin De Bruyne, aos 31. No segundo tempo, o Brasil até tentou uma reação e diminuiu com Renato Augusto, mas não evitou a eliminação.

O Brasil melhorou no segundo tempo com as entradas de Douglas Costa (pela direita) e Renato Augusto (pelo meio). Mas a defesa belga conseguiu bloquear as principais investidas da Seleção. A Bélgica, nos momentos que mais sofreu pressão, conseguiu cadenciar a partida e trocar passes do meio para frente.

A seleção belga irá encarar a França nas semifinais, na terça-feira (10), em São Petersburgo, em busca de sua primeira final de Copa do Mundo. Já o Brasil adia o sonho do hexa por mais quatro anos.

O grande jogo da "Ótima Geração Belga"

O começo da partida pareceu promissor para o Brasil. Com sete minutos, o time acertou a trave com Thiago Silva e logo depois conseguiu uma sequência de ataques perigosos. O jogo parecia favorável até os belgas chegarem ao gol aos 13, quando, em um escanteio pela esquerda, Fernandinho fez contra ao cabecear para o gol defendido por Alisson. A partir daí, os Diabos Vermelhos conseguiram preparar a armadilha perfeita.

Armada no ousado esquema 3-4-3, a Bélgica se defendia em uma linha de quatro defensores com o recuo de Meunier, posicionado exatamente para marcar o colega de Paris Saint-Germain, Neymar. Fellaini, que fez uma brilhante partida, também encostou no setor para reforçar o cuidado. A Seleção se via muito bem marcada e até conseguia criar boas chances de gol, mas se não conseguia finalizar, levava contra-ataques perigosos.

Em uma dessas jogadas, aos 30 minutos, os belgas ampliaram. Marcelo ficou com dois adversários na sua frente e, sem ter muito a fazer, viu De Bruyne conduzir e chutar cruzado no canto de Alisson. O Brasil se viu em um panorama inédito na "Era Tite": a então melhor defesa da Copa dava espaços, o ataque não conseguia marcar e a derrota parcial desafiava o equilíbrio emocional.

O intervalo exigiu atitude. Tite tirou Willian para colocar Firmino e tentar empurrar os adversários. Teve reclamação de dois pênaltis, chutes perigosos e mais contra-ataque belga. Hazard quase fez o terceiro. Ao Brasil, não restava mais alternativa a não se arriscar mais conforme o tempo passava. Tite colocou Douglas Costa em campo e tentou não esmorecer, embora o tempo fosse um cruel inimigo.

A Bélgica se armou em uma linha defensiva de cinco jogadores no segundo tempo. Atravessar a barreira era difícil. Então, foi preciso arriscar o modo menos óbvio, pelo alto. Coutinho ergueu para Renato Augusto desviar de cabeça e diminuir, aos 31 minutos da segunda etapa. Era um respiro e tanto para quem quase já perdia o fôlego por tanto atacar e não ver resultado.

O prejuízo tinha caído pela metade. Precisava resolver o restante para buscar a prorrogação. O Brasil quase empatou com Renato Augusto, Firmino, Coutinho e Neymar, que obrigou o goleiro a um milagre nos acréscimos. Não houve o abatimento de 2014, a fraqueza emocional de 2010 ou a passividade de 2006. O Brasil saiu da Copa brigando muito e de cabeça erguida. Pena que volta para casa, mais uma vez, de mãos vazias.

A Bélgica, que ampliou a sua invencibilidade para 24 jogos e não perde um jogo desde setembro de 2016, vai encarar a França nas semifinais, na próxima terça-feira, às 15 horas (de Brasília), em São Petersburgo.

FICHA TÉCNICA:

BRASIL 1 X 2 BÉLGICA

BRASIL - Alisson; Fagner, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Fernandinho, Paulinho (Renato Augusto) e Philippe Coutinho; Willian (Firmino), Neymar e Gabriel Jesus (Douglas Costa). Técnico: Tite. 

BÉLGICA - Courtois; Alderweireld, Kompany e Vertonghen; Meunier, Witsel, Fellaini e Chadli (Vermaelen); De Bruyne, Hazard e Lukaku (Tielemans). Técnico: Roberto Martinez.

GOLS - Fernandinho (contra), aos 13, e De Bruyne, aos 30 minutos do primeiro tempo; Renato Augusto, aos 31 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO: Milorad Mazic (Sérvia).

CARTÕES AMARELOS: Alderweireld, Meunier, Fernandinho e Fagner.

PÚBLICO: 42.873 torcedores.

LOCAL: Arena Kazan, em Kazan (RUS).

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais