Presos Lava Jato na mordomia, e presidiária pobre dá à luz em solitária 

Enquanto os escândalos de desvios milionários de corrupção são tratados com penas leves e com toda mordomia aos corruptos, em uma cadeia no Rio de Janeiro, uma presa dá à luz sozinha dentro de uma solitária, de castigo. A presidiária teve o bebê sozinha com muitos gritos de socorro, inclusive das presas de celas vizinhas que pediam ajuda para a mulher em trabalho de parto, que só saiu da cela já com a criança no colo e o cordão umbilical pendurado. O pior é que segundo a Associação de Servidores da Saúde e Assistência Penitenciária, partos na cela não são atípicos. 

Se por um lado assistimos às injustiças nas penas que os corruptos da operação Lava Jato recebem, por outro a realidade dos presos pobres é bem diferente. No primeiro caso, os presos são ricos, continuam com seus bens e com sua família vivendo do luxo e das mordomias conquistadas com dinheiro roubado. Muitos cumprem boa parte da pena dentro de suas mansões. Já no segundo caso, uma mulher pobre, presidiária, vive um momento de indignidade humana, dando à luz sozinha uma criança dentro de uma solitária, cumprindo um castigo inaceitável. Ainda assim, após atendimento em um hospital, a mãe voltou para o isolamento e a criança foi encaminhada para um abrigo, mesmo com direito de ficar com o recém-nascido até os seis meses. 

Centenas de mulheres estão grávidas dentro das cadeias, convivendo sem nenhum direito à dignidade. São obrigadas a dar à luz algemadas das mãos aos pés, sem nenhum respeito a uma criança inocente que já vai nascer sendo tratada como marginal. A delação premiada virou prêmio de perdão para corruptos que desviaram milhões dos cofres públicos, da saúde, da educação. Todos os milhões que deveriam ser destinado à melhoria do país e inclusive da qualidade de vida dos moradores de favela é perdoado com a delação. E para os pobres, qual o caminho para o perdão, para os direitos e dignidade? 

* Supervisor Administrativo NEAM/PUC-Rio; Mestrando em Design - DAD/PUC-Rio; Pesquisador Ladeh/PUC-Rio; Colunista Jornal do Brasil