Space Force: a nova corrida espacial

Uma das novas produções originais Netflix é ‘Star Force’, que entra no serviço de streaming nesta sexta-feira (29). Estrelada por Steve Carell (que é um dos co-criadores, com Greg Daniels), a série se passa numa base militar secreta, no Colorado (EUA), onde está sendo preparada uma nova missão lunar. No que será o primeiro passo em direção a Marte. A Força Espacial será um novo braço das Forças Armadas americanas. Por coincidência, os EUA acabaram de anunciar projeto similar!

Apesar de Carell e Daniels terem sido também parceiros na versão americana da série inglesa ‘The office’ (criada originalmente por Ricky Gervais, de ‘After life’), Carell fez questão de dizer que ‘Space Force’ não é uma versão espacial de ‘The office’. E não é mesmo. Tive acesso aos seis primeiros episódios, e posso garantir isso. ‘The office’ era um fake reality (eles olhavam o tempo todo para as câmeras), que acompanhava a rotina de um escritório. Agora, seguimos os passos do ambicioso general Mark Naird (Carell), que quer triunfar, a todo custo, nesta mega empreitada.

 

Por isso, apesar de a série ser, basicamente, de humor, ela não trilha este terreno, apenas. Há toques de drama familiar. Naird cuida da filha adolescente, sozinho, porque a mãe (feita por Lisa Kudrow, de ‘Friends’) está ausente; tem um pai debilitado (última atuação de Fred Willard, que faleceu recentemente) e vive às voltas com a burocracia. Além de desafiar os conselhos de um cientista (feito por John Malkovich) e de outros oficiais, que torcem para que Naird fracasse. A série se equilibra, o tempo todo, nesta fina linha do humor com o drama, nem sempre obtendo bons resultados em nenhum dos lados. Na média, é ok.

Por isso, não esperem o riso incomodo de ‘The office’. Às vezes, rola. Como toda série, ‘Space Force’ tem altos e baixos. O piloto é bom. O segundo episódio, é muito bom. Depois, dá uma estabilizada no ok. Mas, como me faltou ver os episódios finais (são dez, no total), a conclusão geral é: se você curte o Steve Carell (que também está, atualmente, no drama ‘The Morning Show’, da AppleTV+), vai na fé. Além disso, semanalmente, haverá um podcast ‘Inside Joke: Space Force’, que comentará o episódio da semana, nas plataformas Spotify, Apple, Stitcher e Pocket Casts. Bacana.

 

R.U.G.I.D.O.S

*Afastado das salas de cinema fechadas por conta da pandemia de COVID-19, o público poderá aproveitar uma nova experiência a partir de 28 de maio: a plataforma Cinema Virtual. O projeto trará título inéditos e premiados, que estarão disponíveis em www.cinemavirtual.com.br. A cada quinta-feira, o Cinema Virtual trará estreias, além de manter disponíveis os títulos mais desejados da semana anterior, escolhidos pelo público. Estarão na plataforma, a cada semana, entre 10 e 15 títulos, todos inéditos no cinema e em plataformas de streaming.

*O artista gráfico americano Keith Haring, falecido em 1990, passou boa parte de sua breve carreira entre cidades de diversos países. Mas foi em pequeno vilarejo na Bahia (veio ao Brasil para uma Bienal de Artes de SP) que ele pôde encontrar momentos de tranquilidade. O local influenciou bastante a sua arte, e sua presença deixou marcas duradouras na cidade. Essa forte relação é retratada em episódio inédito da série “Geografia da Arte”, dirigida por Guto Barra e Tatiana Issa, que vem sendo exibida no Curta!.

 

*A série “Histórias secretas’, do Smithsonian Channel, traz esta semana episódio sobre a chamada ‘gripe espanhola’, pandemia que deixou milhões de mortos entre 1918 e 1920. Exibições sextas-feiras, às 22h.